Quem assume? Veja os cotados para treinar o Inter e a situação de cada um

Inter
Foto: Divulgação/Inter

Como de costume nas últimas temporadas, o Inter vive um período sem treinador. Enquanto o auxiliar Odair Hellmann prepara o time para as rodadas finais da Série B, a diretoria colorada trabalha nos bastidores para chegar ao nome ideal para a temporada de 2018. No último sábado, Guto Ferreira não resistiu ao empate em 1×1 em casa com o Vila Nova e foi demitido do clube sem ter concretizado matematicamente o acesso.

“O trabalho do Guto nos trouxe até aqui. Não se troca de treinador em cada tropeço. O somatório do diagnóstico é que, hoje, decidimos que esse é o melhor caminho para o clube”, disse o presidente Marcelo Medeiros. “Guto e comissão deixam o Inter. Caímos muito de desempenho nos últimos jogos. Entendemos que era importante fazer essa correção”.

Guto foi trazido logo após a queda de Antônio Carlos Zago, demitido depois de uma derrota por 1×0 para o Paysandu, na terceira rodada da Série B. Apesar de um início turbulento, o útimo técnico colorado participou da reviravolta da equipe dentro da competição entre o final do primeiro turno e início do segundo, quando o Inter se firmou na liderança – perdida efetivamente no sábado para o América-MG, já garantido na Série A. Nas últimas três rodadas, o time será treinado por Odair Hellmann. Nesse momento, dois nomes despontam como favoritos para assumir: Abel Braga e Roger Machado.

Abel Braga

Por ter um histórico extremamente positivo com o clube, Abel Braga é sempre um nome lembrado quando o Inter se encontra sem treinador. Além do passado vitorioso, o técnico goza de muito prestígio junto à atual direção colorada. Marcelo Medeiros era o vice-presidente de futebol na última passagem de Abel, em 2014, quando ele ficou de janeiro a dezembro e só não permaneceu para o ano seguinte por conta da nova diretoria que assumiu. Vitorio Piffero, o então novo presidente, queria Tite, mas acabou contratando o uruguaio Diego Aguirre.

De acordo com o portal Globoesporte.com, a diretoria quer um nome mais “cascudo” para a próxima temporada, que deve marcar o retorno à elite do futebol brasileiro. No entanto, a grande pendência para uma eventual tentativa em Abel é o seu contrato com o Fluminense, que vai até o final de 2018 e fatalmente exigiria negociação com o time carioca.

Apesar de uma temporada irregular no Flu, que chegou a flertar com a zona do rebaixamento, Abelão em nenhum momento do ano correu risco de demissão e também tem muito prestígio nas Laranjeiras. Antes de assumir a presidência do Inter em janeiro desse ano, Medeiros concedeu entrevista exclusiva ao Torcedores.com e falou sobre Abel:

“O Abel está ligado historicamente ao Inter. Ele é um treinador com diversos serviços prestados ao clube e é natural que tenha o seu nome cogitado pela mídia. O nosso trabalho, caso eleitos, inclui um planejamento que já está sendo feito há algum tempo e que tem o Roberto Melo, nosso vice de futebol, responsável por avaliar o mercado de jogadores e treinadores”, colocou, na ocasião.

Nesta segunda, o jornalista Alexandre Praetzel, que presta serviços ao UOL e ao Esporte Interativo, revelou que conversou com Abel sobre um possível retorno ao Inter.

Roger Machado

Por outro lado, o nome de Roger também circula nos bastidores e agita os colorados nas redes sociais. Nesta segunda-feira, aliás, uma foto do técnico ao lado do ex-dirigente colorado Fernando Carvalho causou furor na web e aumentou as especulações sobre uma eventual contratação. O próprio Carvalho teve de intervir e se pronunciar negando qualquer tipo de boato.

A Rádio Bandeirantes, por outro lado, informou que o Inter já fez contato com Roger e que encaminhou sua contratação para 2018 – o anúncio deve ser feito após a concretização do acesso à Série A.

Apesar do largo histórico no Grêmio, clube que defendeu como jogador e depois como treinador, Roger nunca foi pivô de grandes polêmicas ou declarações fortes apimentando a rivalidade Gre-Nal. Tite, técnico atual da seleção, e que inclusive treinou Roger, treinou o Grêmio antes de trabalhar no Inter.

Roger está sem clube desde que foi demitido do Atlético-MG ainda no início do Brasileirão. Antes, ajudou o Galo na conquista do Mineiro e levou o time até as oitavas de final da Libertadores. Sua queda foi entre os dois jogos contra o Jorge Wilstermann, da Bolívia, que avançou de fase e deixou o time mineiro pelo caminho.

LEIA MAIS:

Como o presidente do Inter justificou a demissão de Guto

Renato reclama de jogo em Caxias: “É um absurdo o Grêmio não mandar na Arena”

De 10 para 10: Douglas elogia D’Ale e revela bonito gesto do argentino

Você é bom de apostas esportivas? Conheça a Bumbet e aproveite bônus especiais



Jornalista formado pela PUCRS em agosto de 2014. Fã de esportes, sobretudo tênis. Colorado por paixão, jornalista por vocação e tenista por opção.