Torcedores.com Vozes da Marca

Fifa 18 não é só FUT, Modo Carreira ganhou mais realismo; veja dicas

Foto: Divulgação/EA Sports

Que tal negociar em sua própria sala o futuro de jogadores com treinadores como José Mourinho ou Jürgen Klopp? A oportunidade é possível de ser vivenciada e virou um dos principais atrativos do Modo Carreira de Fifa 18, jogo lançado oficialmente no último dia 29.

Se a menina dos olhos dos fifeiros hoje atende pelo Ultimate Team, reconhecidamente o mais popular modo pela EA Sports, e a segunda temporada de A Jornada, protagonizada por Alex Hunter, ganha cada vez mais seguidores, o Carreira também tem o seu espaço e reserva novidades para os jogadores.

A principal dela é a negociação de transferências interativas, as chamadas cutcenes, que aparecem quando o futuro dos atletas será definido e trouxeram ainda mais realismo ao modo.

O Torcedores.com reservou algumas dicas para os que se aventurarão no tradicional modo. Apesar de mais antigo, ele apresenta desafios. Do olhar clínico para a contratação de promessas, fazendo-as evoluir e chegar ao estrelato, até a condição de administrar a insatisfação de jogadores que não tem oportunidades.

Tops ou gigantes adormecidos? Escolha bem

Primeiro é preciso escolher um clube para iniciar. Se a opção for pelos conhecidos tops clubs do futebol mundial, motivado pelo desejo de montar um “dream team”, saiba que a pressão será grande e, caso os resultados não venham, uma demissão pode surpreender.

A lista dos mais endinheirados é esta: Manchester United (162 milhões de euros), Manchester City (143 milhões de euros), Arsenal (109 milhões de euros), Paris Saint-Germain (104 milhões de euros) e Real Madrid (95 milhões de euros).

Uma outra opção conhecida e mais prudente é considerar clubes grandes, mas que não tem conquistado muitos títulos, podendo realizar um trabalho de recuperação e médio prazo. O Liverpool, por exemplo, tem a 10ª maior verba de transferências (83 milhões de euros), além de um bom elenco. Os Reds não conquistam a Premier League desde a temporada 1989/1990, ainda na antiga primeira divisão. Um desafio em tanto.

Se você, no entanto, é um aventureiro, um “milagreiro de plantão”, a aposta nos clubes nostálgicos que não vivem grandes dias ou nos que ainda buscam o seu lugar ao sol, saiba que isso dará ainda mais trabalho. O item 2 poderá ajudar nesse desafio.

Aposte em jovens talentos

A caça por novos jogadores que alcançam incrível evolução durante as temporadas e ganham considerável valorização costuma motivar, e muito, os “managers” virtuais.

Para isso, a contratação de olheiros se faz necessário. Eles descobrem desconhecidos por meio de instruções como idade, atributos, posições nos principais centros, mas, também, nos lugares menos conhecidos.

Nomes como Youri Tielemans, do Monaco, Timo Werner, do Red Bull Leipzig, Gialuigi Donnaruma, do Milan, puxam a fila dos conhecidos e bons investimentos no Modo. Mas há também outros como Domingos Quina, do West Ham; Christian Früchtl, do Bayern de Munique; Ryan Sessegnon, do Fulham; Ryan Gauld, do Aves; Cameron Carter-Vickers, do Sheffield United; Christian Pulisic, do Borussia Dortmund; Angel Gomes, Manchester United.

Früchtl, por exemplo, é considerado como um dos substitutos de Manuel Neuer no gol. Ele inicia o jogo com 65 de overall, mas pode chegar até 86. Um dos mais conhecidos é Pulisic. O norte-americano não é um investimento tão fácil e nem barato, mas inicia com 78 de overall e alcança até 89.

Também é preciso considerar emprestar alguns jogadores para evoluírem.

Super astros? Prefira um elenco operário

Ficar na sala de frente com um grande técnico e acertar a contratação de um grande nome do futebol mundial parece ser tentador, mas será o melhor caminho? É necessário ter elenco (forte) para cumprir os objetivos e sonhar com títulos nas competições. Destinar toda ou quase toda a verba a contratação de um grande craque pode custar caro.

Por isso, o ideal é trazer bons nomes, de diferentes características e posições, principalmente com preços atrativos, para a formação de um elenco homogêneo.

A própria EA Sports divulgou a lista de nomes de jogadores interessantes como investimentos aos fifeiros carreiristas: https://www.easports.com/br/fifa/news/2017/fifa-18-player-ratings-career-mode-hidden-gems

Entre os brasileiros estão o meia Andreas Pereira, do Manchester United, o atacante Richarlison, do Watford, e Malcom, do Bordeaux.

Administre bem o seu elenco

Não é necessário montar uma “Família Scolari”, mas um manager precisa estar atento aos potenciais jogadores ou aqueles bons nomes que, por algum motivo, não estão jogando. Focar apenas nos 11 ou em um ou outro substituto imediato é um erro. Passa a ser comum receber emails de jogadores pedindo para jogar uma partida e, algumas vezes, é necessário ceder.

Virar as costas para alguns jogadores pode levar a perdê-los na renovação de seus contratos. Portanto, é bom observar bem o tempo de contrato e negociá-lo no mercado, se necessário. A questão do “desapego” é importante ao jogador para que evolua e contrate cirurgicamente com a verba.

É interessante, também, treinar individualmente alguns jogadores aperfeiçoando pontos deficientes e seu overall.

Não seja conservador na formação!

É possível salvar diversas formações em “elenco” e apenas selecionar conforme o adversário. Muitos jogadores se apegam a tradicionais configurações táticas, mas é preciso ter outras opções, também, para jogos importantes fora de casa, por exemplo.

Foi-se o tempo das pranchetas, das formações mais simples. Uma equipe taticamente editada conforme a característica de jogo que mais lhe agrada é um bom caminho para as vitórias. É possível configurar a característica dos passes, a marcação, impor posicionamento específico aos principais atletas e muitas outras opções.

Além disso, é importante estudar os principais adversários. Entender o desempenho de alguns jogadores (assistências ou gols) pode motivar uma marcação especial e, consequentemente, menos surpresas.

FIFA 18 é desenvolvido pela EA Vancouver e EA Romênia e estará disponível em todo o mundo no dia 29 de setembro de 2017 para os sistemas PlayStation 4, Xbox One, PC, Nintendo Switch, PlayStation 3 e Xbox 360. Clique aqui e garanta o seu!


Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo. Comecei no Terra Esportes, em 2008, para onde voltei em 2011 e fiquei até 2015. Passei também por FPF, Diário LANCE! e o jornal A Tribuna, de Santos, com colaborações para a Revista Placar.