Zagueiro do Vitória, Kanu fala em “atropelar” o São Paulo após empate com o Flu

Maurícia da Matta l EC Vitória l Divulgação

Após o empate em 2 a 2 com o Fluminense, domingo (10). Kanu, autor do segundo gol do Vitória, falou com a equipe de reportagem da Rede Globo após o término da partida.

O zagueiro Kanu, falou com a imprensa após o término da partida; “As pessoas não entendem, mas o homem lá de cima me abençoa, hoje consegui fazer o gol, infelizmente não conseguimos os três pontos”. Lamentou, Kanu

E de olho no confronto do próximo domingo (17), o zagueiro do time baiano, projeta trabalhar durante a semana e buscar os três pontos em casa. E aproveitou para provocar o time paulista; “Agora temos jogo de três pontos, vamos trabalhar durante a semana para atropelar o São Paulo.” Concluiu.

A equipe do Vitória ocupa a 17ª posição no brasileirão, com 26 pontos, dois a mais que o São Paulo, na 19ª colocação.

Parece que ninguém respeita mais o São Paulo. Kanu, não é o primeiro jogador a provocar a equipe do São Paulo neste brasileirão. Bruno Paulista, volante do Vasco, também já deu declaração polêmica antes da partida contra o Tricolor (válida pela 15ª rodada); “Temos que chegar lá e atropelar”. O Tricolor, venceu aquela partida por 1×0.

E na ultima semana, foi a vez do atacante Emerson Sheik. O jogador da Ponte Preta é um velho conhecido da torcida, e sempre que possível, Sheik provoca a torcida e os times adversários. “Acho que a torcida do São Paulo deve me amar. Eles esquecem até de gritar o nome dos próprios jogadores para gritar o meu. É diferente a maneira que falam meu nome, não é com tanto carinho”. Sheik

O São Paulo, não vivia uma situação tão complicada desde 2013. Naquele ano, a equipe do Morumbi ficou 10 rodadas na zona do rebaixamento. Hoje o São Paulo soma 11 rodadas no Z4, e cada vez mais se complica na competição.

Leia mais: BRUNO PAULISTA VOLANTE DO VASCO SOBRE O JOGO CONTRA O SÃO PAULO: “TEMOS QUE CHEGAR LÁ E ATROPELAR”

Leia mais: EMERSON SHEIK PROVOCA SÃO PAULO EM VÉSPERA DE JOGO

 

 

 



São Paulino apaixonado, Twitteiro de plantão e corneteiro nas horas vagas. Pai do João Gabriel e do Miguel Calleri