Guia de Atletismo e sua vontade de fazer algo para o lado voluntário

Crédito: Arquivo Pessoal de Francisco Andrade

Francisco é um caso raro de se ver, pois ele nunca foi atleta profissional, mas quando se aposentou ele procurou algo para ser voluntário. E foi no atletismo que ele sentiu o prazer em virar guia de Atletismo para as pessoas com deficiências visuais e estar fazendo o bem à essas pessoas.

Francisco Andrade, hoje com 52 anos, nasceu em Belo Horizonte, MG, e atualmente mora em São Paulo (capital). Quando criança praticava judô, mas sem muito compromisso.

E faz 6 anos que começou como guia de corridas de rua porque buscava na ocasião realizar mais algum trabalho voluntário. Em 2011 já participava de várias provas de corridas de rua, porém começou a correr em 2007.

“Naturalmente você se vê tão envolvido com essa prática esportiva que vários contatos foram feitos pelas mídias sociais, corredores me adicionando e vice-versa. Dentre os vários convites que eu recebia de eventos, um me chamou a atenção: participar de uma palestra sobre trabalho voluntário com corredores com deficiência. Desde então não parei mais…”, diz Francisco ao Torcedores.com

Ele se sente, antes de qualquer coisa, exercendo de certa forma cidadania. Busca a inclusão de pessoas com deficiência através do esporte, resgatando algo de bom que elas podem oferecer para elas mesmas.
Francisco se recorda de um pensamento que um atleta deficiente visual compartilhou com ele, quando disse: “Somos tão bons quanto vocês, só precisamos de uma mãozinha (no caso, olhos)”.

Além disso, tanto o guia de Atletismo quanto o paratleta compartilham a mesma paixão, que só quem é corredor pode entender em plenitude.

“Quando você descobre as dificuldades e sacrifícios que esses atletas sofrem para treinar e, no dia da prova, estarem alinhados com você na linha de largada, em pé de igualdade, você percebe que suas reclamações e dificuldades não tem muito sentido…” diz Francisco.

O Guia de Atletismo define que: deficientes visuais que acordam às vezes às 3h00 da manhã para treinar, pegando 2 conduções para chegar ao local de treinos SOZINHOS para se encontrar com um treinador (quando tem…). Então eles têm muito mais a oferecer a nós do que nós a eles.

Por enquanto o Guia de Atletismo só participou de corridas de rua. E as fotos abaixo mostram as competições de corridas de rua.

Crédito: Arquivo Pessoal de Francisco Andrade


Crédito: Arquivo Pessoal de Francisco Andrade

“A partir do momento que você vivencia uma experiência de doação, a vida é encarada de uma forma muito mais simples… Aprendi a agradecer, mais do que pedir.”, finaliza Francisco



Sou profissional na área de PcDs (Pessoas com Deficiência) e consultora sobre o tema. Crio elo entre empresas e profissionais PcDs, desenvolvendo relações que agreguem qualidade de vida para pessoas e geração de valor para empresas. Palestrante e Coach, trago através do Torcedores.com informações sobre paratletas, suas modalidades e suas histórias de superações. Meu site: www.clickconsultoriapcd.com