Com 40 anos de Jovem Pan, Wanderley Nogueira conta os segredos do rádio esportivo

Divulgação/Facebook Pessoal

“Ôooo Wanderleyyy”. Talvez esse seja o chamado mais conhecido do rádio esportivo brasileiro, seja na voz de Nilson César ou, até o fim dos anos 90, na de José Silvério. Independente do autor, o narrador se refere a Wanderley Nogueira.

Wanderley é repórter de campo, comentarista e apresentador. Ele completou no último dia 7 de julho, 40 anos trabalhando na rádio Jovem Pan. O jornalista deu uma entrevista exclusiva ao Torcedores.com. No papo, ele analisou as mudanças no rádio e programas esportivos ao longo do tempo.

LEIA MAIS
JOÃO SALDANHA 100 ANOS: JORNALISTAS ANALISAM O SEU LEGADO

Confira o bate-papo, na íntegra

Torcedores.com: Como você começou sua carreira na Jovem Pan? Ao longo desses 40 anos, teve propostas para sair?
Wanderley Nogueira: Fui contratado como repórter. Eu fazia o “terceiro”, aquele que descobre as coisas dos bastidores do jogo, do estádio e da vizinhança das praças esportivas, nas transmissões. Registrava fatos engraçados, interessantes e saborosos. Nesses 40 anos, recebi propostas de outras emissoras e fiquei muito orgulhoso e agradecido pelos convites. Mas, quando você é feliz na empresa que trabalha, não tem motivo para sair.

Torcedores.com: Pela emissora, você já cobriu desfile de Carnaval, terremoto e erupção de vulcão, mas tudo paralelo ao esporte. Nunca pensou em ir, definitivamente, para outra área?
Wanderley: Eu sempre estive em várias áreas do jornalismo. Ao longo da minha caminhada cobri polícia, política e muitas outras coisas. Atualmente, quem me acompanha nas redes sociais constata que abordo muitos outros assuntos além do esporte. E a história do jornalismo mostra que quem faz bem “esporte” atua em qualquer outro setor da mídia.

Torcedores.com: Quais são suas referências como repórter esportivo?
Wanderley: Conheci grandes repórteres, ótimos. Seguramente, esqueceria nomes muito importantes. Mas, aproveito para homenagear o Cândido Garcia (jornalista com passagens pela Jovem Pan e Rádio Bandeirantes).

Torcedores.com: Qual o segredo para ser um bom repórter de rádio?
Wanderley:  Bom vocabulário, atento observador, grande improviso, bem informado, excelente ritmo ao falar, ultrapassar as dificuldades que uma transmissão apresenta e não ser um contumaz “reclamão”. Bom repórter precisa ser um “solucionador” e não um “complicador”.

Torcedores.com: Hoje em dia, é chato entrevistar os jogadores na saída do gramado?
Wanderley: As entrevistas nesse momento são muito rápidas, e raramente um repórter ouve uma resposta profunda ou importante. Ainda bem que existem outras alternativas.

Torcedores.com: Daria para eleger os cinco jogadores mais carismáticos que já entrevistou? E os mais chatos?
Wanderley: Entrevistei muita gente nesta caminhada e, acredite, nunca tive problemas com os entrevistados. Sempre perguntei tudo o que queria. Todas as entrevistas foram e são aproveitáveis. Elas mostram a fluência do entrevistado ou a sua inibição. Revelam o bem articulado ou aquele que torce para não encontrar um repórter pela frente.

Torcedores: Mesmo com 40 anos de experiência, hoje sendo âncora e comentarista, o que ainda te move ser repórter de campo?
Wanderley: Como apresentador e comentarista continuo sendo repórter. Repórter informa, observa, retrata. Faço isso nessas outras funções, também.

Torcedores: O que acha dessas mesas redondas só com “boleiros”?
Wanderley:  Acho que são espaços importantes. É sempre bom ouvir “boleiros” e jornalistas. É uma troca permanente de visões sobre um mesmo assunto. Quem ouve ou assiste tem a possibilidade de receber uma boa carga de opiniões, para todos os gostos.

Torcedores: E essas renovações de pessoal nas rádios, onde muitos profissionais mais velhos estão dando lugar aos mais jovens: é boa ou ruim?
Wanderley: Todos vão parar um dia, em todas as profissões. Em todas as épocas isso aconteceu. É normal. Feliz da empresa que pode contar com bons jovens ao lado de profissionais experientes e geralmente o resultado é muito positivo.

Torcedores.com: O que acha das rádios mais populares dominarem a audiência dos programas esportivos como o “Esporte em Discussão”?
Wanderley: Felizmente, o “Esporte em Discussão” é um sucesso. Transmitido pela Jovem Pan AM, pelas afiliadas da Jovem Pan com áudio e imagem pelos aplicativos, pelo Twitter, pelo Facebook e pelo nosso canal no Youtube. O programa deu certo porque a equipe é ótima, inteligente e sabe separar as coisas. Tudo que acontece no programa, os atritos, as discussões, e as divididas, acabam quando o programa termina. No dia seguinte, todos estarão juntos novamente. Seria uma burrice levar a discussão para o lado pessoal. Todos entenderam isso desde o primeiro “Esporte Em Discussão”. Temos grande prazer em fazê-lo e discutir pra valer.

Assista a homenagem feita pela Jovem Pan para Wanderley Nogueira