Em 2017, Damião é tão eficiente quanto Guerrero e precisa de menos tempo em campo para marcar

Apesar da diferença técnica, números de Damião em 2017 são melhores que os de Guerrero (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)

Neste último domingo, Paolo Guerrero voltou da seleção peruana e retomou seu lugar no comando do ataque do Flamengo,no empate em 2 a 2 com o Fluminense. Nos três jogos que o camisa 9 esteve fora, a serviço de seu país, foi substituído por Leandro Damião, que marcou duas vezes, contra Avaí e Ponte Preta. Apesar da artilharia do Campeonato Carioca em 2017 pesar a favor de Guerrero, os números de seu substituto são até melhores que o do peruano no ano.

LEIA MAIS
Assista aos melhores momentos do clássico Fluminense x Flamengo
Éverton Ribeiro e Rhodolfo farão jogo-treino nesta segunda-feira e podem reforçar o Fla contra a Chape

Na temporada, Guerrero tem 13 gols, contra 7 de Leandro Damião. Porém, o tempo em campo do camisa 9 é mais que o dobro do camisa 18. São 2.020 minutos para o peruano contra 936 minutos do brasileiro. Assim sendo, Guerrero marca um gol a cada 155 minutos em campo, enquanto Leandro Damião marca uma vez a cada 134 minutos. Considerando que o peruano recebe R$ 900 mil por mês, Damião recebe R$ 300 mil e que o Flamengo está no sexto mês de pagamento, cada gol de Guerrero em 2017 custou R$415,384.62 aos cofres do clube e cada tento marcado por Leandro Damião custou R$257,142.86.

(Dados: ogol.com.br, footstats.net e ESPN)

Em termos de finalização, o aproveitamento dos dois é igual. Guerrero finalizou 91 vezes no ano, marcando 13 vezes, o que dá uma média de um gol a cada sete finalizações para o peruano. Damião finalizou 49 vezes, marcando sete gols, chegando à mesma média de um gol a cada sete finalizações.

Muito tem se destacado, também, a importância de Guerrero para o time, fazendo o pivô e abrindo espaço para que outros jogadores cheguem de trás. Porém Damião leva vantagem mais uma vez. No Brasileirão, nenhum dos dois deu assistência (Guerrero tem uma na Libertadores), porém o camisa 18 criou mais oportunidades que o peruano: 4 contra 3.

Damião também leva a melhor em duelos aéreos. O atacante ex-Inter, Santos e Cruzeiro ganhou 11 dos 21 duelos aéreos disputados no Brasileirão, com aproveitamento de 51%. Já o peruano ganhou apenas 10 das 29 disputas pelo alto, dando um aproveitamento de 34%. Damião também tem participado um pouco mais do jogo. O camisa 18 deu 135 toques na bola nas quatro partidas que fez como titular, enquanto o camisa 9 deu 128 toques.

Um quesito que Guerrero leva a melhor, devido à pouca técnica de seu concorrente, é em perda de bolas. O peruano perdeu 21 nessa edição do Campeonato Brasileiro contra 26 de Damião.

Veja abaixo um quadro comparativo entre Guerrero e Leandro Damião

As estatísticas marcadas com um asterisco (*) se referem ao ano inteiro de 2017 e são do Footstats. As demais se referem apenas aos jogos válidos pelo Campeonato Brasileiro e são do WhoScored