Treino 7 dias por semana e boca fechada: atleta do UFC diz o que é preciso para ser lutador

Reprodução/Instagram Marlon Moraes

Para ser um lutador profissional, é preciso muito mais do que vontade de trocar golpes com o adversário no ringue, octógono ou na área de combate em questão. Disciplina, em todos os sentidos, é fundamental. Que o diga Marlon Moraes, campeão do peso galo (até 61kg) do WSOF (World Series of Fighting) e que vai estrear no UFC no dia 3 de junho contra o compatriota Raphael Assunção, no Rio de Janeiro.

Em entrevista ao Torcedores.com, o fluminense de Nova Friburgo explica um pouco da rotina que treinamentos e do que faz e deixa de fazer em nome do bom desempenho. E o cartel do atleta mostra que ele está no caminho certo. Aos 29 anos, Marlon tem 18 vitórias no MMA profissional, além de um empate. Das quatro derrotas, a última foi no já longínquo novembro de 2011. Desde então, o lutador emendou uma série de 13 combates sem derrota e o título do WSOF.

LEIA MAIS:
ROTINA DE TREINADOR DE MMA TEM FILHOS ‘ADOTADOS’ E SEM FOLGA NO FIM DE SEMANA

Confira o que é preciso para ser um lutador de verdade, segundo Marlos Mores:

1) TREINOS, MUITOS TREINOS

“Meu treinamento é de domingo a domingo. Alterno treinos de manhã e à tarde entre boxe, wrestling e jiu-jitsu. Gosto de treinar todos os dias, principalmente quando tenho luta. Mesmo sem luta gosto de treinar no domingo. Gosto de ir para a academia de manhã e fazer uma atividade”, explicou o lutador.

Awesome boxing w our boy @dannyboymurray!!! Thank you so much brother

A post shared by Marlon Moraes (@mmarlonmoraes) on

Tanto esforço não passa despercebido na academia: “Às vezes a galera me vê e fala ‘pô, ele tá aqui de novo?'”, disse. “Mas eu realmente gosto disso! Não tem disso de ser sacrifício, na academia faço o que eu mais gosto”, completou.

2) PRATO RASO

Não é segredo para ninguém que uma das partes mais complicadas do treinamento de MMA é a hora de cortar peso quando a luta se aproxima. No caso de Marlon, são aproxidamente 10kg que o atleta perde durante todo o processo de preparação para o combate. Ou seja: dos 71kg “naturais” de Marlon, ele subirá na balança do UFC com, no máximo, 61kg, limite da categoria dos galos.

Thank you @meal_plans_to_go for make this weight cut enjoyable!!! Let's keep this belt home 👊🏻🏆

A post shared by Marlon Moraes (@mmarlonmoraes) on

“Para mim, o corte de peso é super tranquilo. Não são 10kg que corto de um dia para o outro e isso é importante. É um processo. O máximo que desidrato são 2kg no dia. E sempre com ajuda de profissional. O corte de peso é algo perigoso. A desidratação é complicada, no finzinho é onde a gente se pergunta se quer continuar ou não. Mas são as batalhas do esporte que escolhemos”, admitiu.

Mas como fazer para segurar o apetite, principalmente, fora da época de lutas? “Quem não gosta de comida boa, um churrasco? Toda vez que vejo comida boa dá vontade, mas sou atleta e tenho de colocar comida boa. Mas no final de semana a gente dá uma saída às vezes, principalmente quando não tem luta marcada. Gosto de comida brasileira, aqui tem alguns restaurantes brasileiros, comida japonesa…”, contou o lutador, que vive há cinco anos em Toms River, no Estado de Nova Jersey, nos Estados Unidos.

3) ESTUDAR OS ADVERSÁRIOS? NEM TANTO

Muitos lutadores costumam “dissecar” o estilo de luta do rival antes de um compromisso. Marlon Moraes admite que isso é, sim, feito. Mas sem exagerar.

“Cara, a gente estuda muito, sim, mas o principal é focar na gente, na evolução. Meu foco, não só agora, é procurar evoluir, ajustar, ver os defeitos. E estamos feito isso bem, evoluindo. A gente faz junto com os técnicos, mas, se você ficar focado demais no cara, você esquece de você mesmo. Temos de estar preparados, focados, sempre”, falou.

4) FAMÍLIA E FOLGA

Apesar de treinar diariamente, Marlon Moraes também é filho de Deus. Nas horas de folga, o atleta gosta de ficar em casa, com a família. O lutador é casado com Izabella, que é enfermeira – o casal tem um filho, Rafael, de 2 anos. “São as razões de eu continuar nessa batalha e conquistar uma vida melhor. Luto por mim e por eles.”

O casal está junto há 10 anos. E Marlon conta que, no meio do relacionamento, eles tiveram uma mudança drástica de vida, quando trocaram o Brasil pelos EUA. “Quando nós nos conhecemos eu já estava no meio do esporte e sabia o que eu queria da minha vida. Ela renunciou a muitas coisas no Brasil para a gente viver esse sonho. Muitas pessoas me ajudaram e ela foi uma delas. Sou muito grato a ela, de ter largado a vida para viver o sonho comigo”, disse.

Campeão Carioca 2017!!! ⚫️🔴🏆 "Isso aqui e Flamengo…"

A post shared by Marlon Moraes (@mmarlonmoraes) on

Nas folgas, não tem tempo ruim para Marlon. “Gosto de jogar videogame, jogar futebol. Futebol é minha paixão, estou feliz com o Flamengo, gosto de ver filmes, ficar com a família. Sou fácil, o que tiver, estou dentro. Gosto de acompanhar.”

Futebol, realmente, mexe com o lutador. “Ultimamente não tenho nem jogado muito porque, sabe como é, craque o pessoal só para na porrada (risos). Estou brincando, gosto de jogar mais sem aquele espírito de vencer, de brigar. Se eu sentir que tem esse clima, eu paro. Gosto de jogar com meus amigos que já sabem, estou ali pra brincar, descontrair. E o sonho dos brasileiros, de muitos, é ser jogador e a maioria se frustra. E aí eles viram aquele atletas. Sou melhor lutador do que jogador, eu jogava mais futebol quando era mais novo. Mas os movimentos são diferentes, e com tempo sem jogar, perde. Mas eu gosto, sou apaixonado.”

5) OLHO NO FUTURO

Com 29 anos, Marlon deve ter, pelo menos, mais 10 anos de atividade no UFC. Ao menos, é o que mostram Anderson Silva, Vitor Belfort, Demian Maia e Fabricio Werdum, brasileiros que já chegaram ou estão na porta dos 40 anos. Mas o fluminense de Nova Friburgo já sabe o que quer fazer quando pendurar as luvas: ser professor.

Sensação maravilhosa ao final desse dia especial! 👊 #SeminárioSocial . Amazing day in my place!

A post shared by Marlon Moraes (@mmarlonmoraes) on

“Gosto muito de trabalhar com criança, tenho uma vontade de dar aula para criança, mais pela parte educacional, nem para buscar um grande talento na arte marcial, mas de tirar crianças do lugar errado. O foco principal, de academia, seria as crianças.”



Jornalista, editor do Torcedores.com. Passagens pelos jornais Metro, O Estado de S. Paulo, Jornal da Tarde, Marca Brasil, Agora São Paulo, Diário de S. Paulo e Diário do Grande ABC.