Tchê Tchê em baixa? Técnico do Palmeiras tem a explicação

Tchê Tchê Palmeiras
Foto: Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação

Um dos principais pilares do Palmeiras na conquista do Campeonato Brasileiro do ano passado, o meio-campista Tchê Tchê não tem conseguido reeditar as ótimas atuações em 2017 e tem sido alvo de críticas de parte da torcida alviverde, além de ter perdido a vaga no time titular no último jogo – apesar de ter entrado na segunda etapa e ajudado na virada contra o Peñarol.

De acordo com o técnico Eduardo Baptista, a queda do rendimento do jogador já era esperado pela comissão técnica depois da lesão sofrida logo no primeiro jogo oficial da temporada, na vitória contra o Botafogo-SP, por 1 a 0.

LEIA MAIS:

EDUARDO BAPTISTA SOBRE BORJA: “É UM DIAMANTE A SER LAPIDADO”
VEJA AS MUDANÇAS, DESFALQUES E RETORNOS NO VERDÃO PARA ENFRENTAR O WILSTERMANN

Eu tenho o Tchê Tchê como um dos principais jogadores na conquista do Brasileiro no ano passado. Ele teve uma lesão que atrapalhou demais num momento importante do ano, ele praticamente não teve pré-temporada. Este momento de oscilação dele a gente esperava, é um jogador importante“, explicou o treinador do Palmeiras, lembrando que a entrada do atleta foi fundamental na virada no último jogo.

“A qualquer momento ia aflorar de novo o Tchê Tchê que a gente conhece. Sair contra o Peñarol foi uma decisão mais estratégica, mas a entrada dele e do Willian foi fundamental para virar o jogo. Ir para o banco não é demérito nenhum ainda mais em um elenco como o do Palmeiras. Ele entrou com um domínio grande, a entrada boa dele subiu o nível de todo mundo e aí conseguimos um resultado expressivo como foi“, completou Baptista.

Altitude na Bolívia

Apesar da partida desta quarta-feira (3) não ser disputada em La Paz, capital do país, que fica a 3.600 metros acima do nível do mar, no local do duelo também é possível que os jogadores do Palmeiras sofram os efeitos da altitude.

Cochabamba, local do jogo contra o Jorge Wilstermann, fica a cerca de 2.500 metros acima do nível do mar e preocupa um pouco os palmeirenses.

Para se preparar contra a altitude é preparação física. E o Palmeiras neste quesito sobra. Tem uma qualidade grande, a maioria dos nossos gols saem no segundo tempo. A parte física não preocupa. A gente tem uma atençãozinha, mas para combater a altitude é preparação física“, minimizou Baptista.