Palmeiras Mil Grau registra festa palmeirense e tensão pós-briga no Uruguai; assista

Reprodução/Youtube

Cerca de uma semana depois, a briga generalizada no Uruguai após a partida entre Peñarol e Palmeiras continua rendendo manchetes. O Palmeiras Mil Grau, página famosa no Facebook de humor sobre o Verdão, esteve em Montevidéu e acompanhou os bastidores da vitória palmeirense por 3 a 2 e também os momentos de tensão da confusão entre jogadores em campo e da torcida uruguaia, que quis agredir os brasileiros.

LEIA TAMBÉM:
EXCLUSVO: Palmeirense no Uruguai revela clima de “ditadura” e amigos espancados em pós-jogo

EXCLUSIVO: “Seguranças jogaram barras de ferro em nós”, relata palmeirense no Uruguai
Conmebol ordenou trancar portão de acesso aos vestiários do Palmeiras

Bruno Ramos, um dos responsáveis pela página, filmou desde a chegada a Montevidéu e a estadia em um hostel na capital uruguaia. O tour passou pelo Mercado Del Puerto, no centro da cidade, onde havia um enorme grupo de torcedores do Verdão. Até cantaram o hino do clube em pleno Uruguai.

Depois a equipe do Palmeiras Mil Grau registrou o momento da chegada ao estádio Campeón del Siglo, horas antes da partida começar. Naquele momento, a torcida do Verdão era mais ouvida de fora da arena, como se pôde perceber na filmagem.

BASTIDORES

As reações de Bruno na torcida são impagáveis, desde o instante em que os uruguaios venciam por 2 a 0 e provocavam os palmeirenses até a virada, no segundo tempo. A partir dali, o responsável pelo Palmeiras Mil Grau se juntou à massa alviverde e foi para o alambrado comemorar e devolver as piadinhas aos torcedores do Peñarol.

No fim do jogo, Bruno fez questão de filmar a tensão de ter ficado uma hora no estádio após o término da partida por conta de toda confusão. Ele enfatizou que a Mancha Verde, principal organizada do clube, teve um papel fundamental para a proteção de todos os brasileiros no setor visitante.

No material editado, a equipe do Palmeiras Mil Grau revelou que foram jogadas bombas na torcida alviverde e que os próprios seguranças uruguaios deram “armas” para os torcedores celestes continuarem com os atos de violência.

Assista!



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.