Fotógrafo do Galo, Cantini fala sobre o clássico e recorda momentos de R10 no clube

Arquivo pessoal

A rotina de treinos e jogos dos grandes clubes são registradas em fotografias, que em muitas das vezes são usadas para marketing dos atletas, ilustração de reportagens e que em algumas ocasiões acabam rodando o mundo. Em um papo descontraído sobre seu dia-dia no Atlético, o fotógrafo Bruno Cantini contou ao Torcedores.com como é a preparação antes do clássico contra o arquirrival Cruzeiro, as mudanças que aconteceram quando Ronaldinho Gaúcho esteve no Galo e muito mais.

LEIA MAIS:

ATLÉTICO X CRUZEIRO: TÍTULO DO CAMPEONATO MINEIRO É VITAL PARA AS DUAS EQUIPES

T Quando a fotografia entrou em sua vida e o que ela representa para você?

A fotografia faz parte da minha vida desde a adolescência quando minha mãe me presenteou com uma câmera de filme. Daí pra frente foi crescendo a vontade de registrar tudo aquilo que eu enxergava à minha volta, paisagens, movimentos, sombras das pessoas na rua, tempo chuvoso e tudo que achava diferente.

Porém, foi quando um amigo me mostrou imagens de esporte que fiquei totalmente apaixonado.  A relação que eu tinha com a fotografia mudou, comecei naquele momento a enxergar oportunidades e foi então que decidi me profissionalizar, estudar, observar, pesquisar e traçar objetivos. Hoje a fotografia representa pra mim mudança de vida, vitória, prazer, alegria e realização.

TQual a preparação feita por você quando vai cobrir os jogos do Atlético, como por exemplo, demanda de fotos e personagens (jogadores) que terão mais ênfase na pauta do dia?

Minha preparação começa pela organização do equipamento que vou levar para o estádio. Precisa estar tudo em ordem:  baterias carregadas, cartões de memória formatados, lentes limpas, notebook, modem com internet para transmitir as imagens em tempo real.

Sempre procuro me posicionar atrás do gol do adversário para registrar os momentos mais marcantes, jogadas e divididas, quando comemoram os gols,além da emoção do torcedor na arquibancada.

TQual a sensação de trabalhar com o que gosta e ao mesmo tempo no clube que torce? Descreva pra gente.

Sinto-me privilegiado por trabalhar no meu time de coração e poder registrar momentos tão importantes que ficarão na história do clube para sempre.

T- Qual a maior dificuldade que você enfrentou quando foi trabalhar cobrindo um jogo do Atlético? Existe algum caso que você se recorde até hoje?

Me lembro de fotografar um jogo com muita chuva e ventania, não foi nada bom (risos)

TCobrir um clássico entre Atlético e Cruzeiro, no Mineirão, é diferente dos demais jogos, digo em relação à expectativa e do grande envolvimento da mídia em torno da partida?

Muito diferente, fico totalmente tenso, perco a fome, fico nervoso vou cedo para o estádio, evito no dia as redes sociais, é como se preparar para uma batalha (risos)

T-O que modificou em seu trabalho quando Ronaldinho Gaúcho esteve no Atlético? Existe alguma história legal que você possa revelar sobre o R10 no dia-dia na Cidade do Galo?

Foi uma experiência diferente, eu tive uma maior visibilidade no meu trabalho. No dia em que ele chegou no CT e eu fiz as primeiras fotos dele chegando e cumprimentando os outros jogadores, além do primeiro treino com a camisa do Galo, as imagens rodaram o mundo, Ásia, Europa, América Latina, de norte a sul, uma loucura.

O Ronaldo é um cara humilde, generoso uma pessoa iluminada, tenho muito orgulho de tê-lo conhecido, pessoa do bem.

Me lembro de ter ido à sua casa fazer uma foto dele para o seu passaporte espanhol, me tratou como um amigo, me deixou muito a vontade, foi muito gratificante.

T-Qual o evento esportivo que você trabalhou que considera inesquecível?

Tem alguns inesquecíveis como a vitória em cima do rival [Cruzeiro] na Copa do Brasil, mas a conquista da Libertadores realmente é inesquecível.

T-Falando apenas de futebol, o que você espera do time do Atlético nesta temporada de 2017?

Muitas vitórias e títulos (risos)

T-O que representa o Atlético na sua vida pessoal e profissional?

Tudo que conquistei profissionalmente, toda a visibilidade que tive e ainda tenho. Toda a minha emoção, satisfação pessoal e conquistas, eu devo ao Atlético.

T- Qual a sensação de na segunda-feira ver uma foto de sua autoria estampada na capa do jornal ou de um caderno de esporte?

Realização,dever comprido e a certeza de que estou no caminho certo, por isso agradeço a DEUS que tem me sustentado na minha Fé.

 



Foi editor do semanário BolanoBarbante, apaixonado por esportes, entusiasta das corridas de rua e dos jogos de tênis.