Cuca tem paciência com Borja e compara o colombiano com Gabriel Jesus

Palmeiras
Reprodução/Youtube

O colombiano Miguel Borja ganhou destaque em 2016 com a camisa do Atlético Nacional, da Colômbia, e foi contratado para ser o homem-gol do Palmeiras, substituindo Gabriel Jesus. No Verdão, o atacante de 24 anos iniciou balançando as redes, mas já recebeu algumas críticas da torcida.

Pelo Palmeiras, Borja já disputou 13 partidas e marcou gols em quatro oportunidades, todas elas pelo Paulistão. Apesar da cobrança da torcida, Cuca ressaltou a confiança no atacante.

LEIA MAIS:

CUCA TEM APENAS UMA DÚVIDA PARA ESCALAR O PALMEIRAS CONTRA O VASCO; CONFIRA

PAYSANDU X OESTE: SAIBA COMO ASSISTIR AO JOGO AO VIVO NA TV

CARTOLA FC: CONFIRA 5 DICAS PARA MONTAR O SEU ATAQUE NA 1ª RODADA

Em entrevista coletiva, o treinador, que volta ao Palmeiras após conquistar o Brasileirão em 2016, analisou que Borja precisa de tempo para se adaptar ao futebol brasileiro.

O comandante do ênea também mandou um recado ao colombiano, que deve seguir trabalhando forte para melhorar seu rendimento.

“Imagine se você fosse para a Colômbia e chegasse como o nome para ser visto, sem fazer gol, o povo te questionando. Você estaria pressionado. Aí os jogadores de lá teriam que te acolher, ter paciência, aprender a hablar un poquito, os amigos te servirem uma jogadita ou outra para fazer gol, comemorar com ele… Você teria que deixar todo dentro de campo. O que significa isso? Luta, se entrega, daqui a pouquinho o homem de lá de cima põe a mão. Não se preocupe em ser o melhor, seja guerreiro, coletivo, que ela vai sobrar na frente para você.”

Para Cuca, o colombiano se assemelha a Gabriel Jesus, que brilhou com a camisa do Palmeiras em 2016. O técnico ressaltou a importância do camisa 12 se sentir confiante e revelou que vai dar tempo de jogo para Borja desempenhar seu futebol.

“O Gabriel que fazia isso. Não se preocupava com gol e fazia. Em certo momento, começaram a falar que ele tinha voltado da Seleção e não fazia. [O Borja] É outro jovem que temos que ter cuidado e passar para ele a confiança. Quero deixar ele jogando o jogo inteiro, que entre em campo sem medo de ser substituído e que possa produzir o melhor, tecnicamente e de entrega também para os companheiros.”

 



Estudante do 8º semestre de jornalismo e amante dos esportes, principalmente o bom e velho futebol. Setorista de Atlético-MG e Futebol Feminino.