Cruzeiro reduz custo do departamento de futebol em 37% nos dois últimos anos

Washington Alves/Cruzeiro/Divulgação

Desde a criação do Profut, os clubes brasileiros têm se adequado a uma nova realidade, no intuito de equilibrarem o caixa. Após a divulgação do balanço financeiro e um estudo feito pelo consultor de marketing, Amir Somoggi, os dados apontam uma redução de 37% nos custos do departamento de futebol do Cruzeiro.

Tais reduções nas finanças da equipe celeste são de extrema importância, já que Somoggi sugere em seu estudo, que as despesas com o departamento de futebol não devem ultrapassar os 70% da receita e no caso da Raposa, esse número chegava aos 80%.

LEIA MAIS:
INGRESSOS DA FINAL PARA A TORCIDA DO CRUZEIRO COMEÇAM A SER VENDIDOS NA SEXTA-FEIRA
COMENTÁRIO DE JORNALISTA DA ESPN GERA POLÊMICA ENTRE CRUZEIRENSES E ATLETICANOS

No ano de 2015, o Cruzeiro gastou R$ 306,4 milhões no departamento de futebol, enquanto na temporada passada, esse montante reduziu para R$ 193 milhões, número bem parecido com o que foi investido em 2014, quando o clube estrelado desembolsou R$ 193,5 milhões.

Quando consideramos os períodos entre os anos de 2011 e 2016, observamos uma variação de 117% nos gastos que são feitos no departamento de futebol. Vale lembrar, que com gastos menores que o de 2016, o Cruzeiro conquistou o bicampeonato do Brasileirão. Em 2013 foram investidos R$ 157 milhões, enquanto em 2014 a verba aumentou para R$ 193,5 milhões.

Em 2016, a diretoria da Raposa  teve como principais fontes de arrecadação os R$ 131 milhões  da TV, R$ 31 milhões em bilheteria, R$ 28 milhões em transferência de jogadores e R$ 27 milhões com publicidades e patrocínio.

Outro dado interessante, é que o Cruzeiro arrecadou bem menos em 2016 em comparação a 2015. São R$ 238 milhões contra R$ 363 milhões.



Foi editor do semanário BolanoBarbante, apaixonado por esportes, entusiasta das corridas de rua e dos jogos de tênis.