Em reencontro, Chapecoense cai para Atlético Nacional e perde Recopa

Reprodução/Facebook Chapecoense

A Chapecoense pode desfilar seu futebol pelo estádio Atanasio Girardot e frente ao povo colombiano, que tantas homenagens fizeram naquele fatídico 29 de novembro de 2016. No entanto, dentro das quatro linhas, o time brasileiro acabou derrotado por 4×1 para o Atlético Nacional nesta quarta-feira (10) e ficou sem o título da Recopa Sul-Americana.

Sem a taça do torneio que envolve os campeões da Libertadores e da Copa Sul-America, a Chape agora concentra suas atenções para o Campeonato Brasileiro, no qual enfrenta o Corinthians, em São Paulo, na primeira rodada da competição, em duelo marcado para o próximo sábado (13), às 19h (de Brasília).

LEIA MAIS:
ATLÉTICO NACIONAL X CHAPECOENSE: VEJA OS GOLS DO JOGO DE VOLTA DA RECOPA SUL-AMERIC

Vantagem vai embora 

A vantagem de ter vencido o primeiro jogo por 2×1 foi embora com um minuto de jogo. Dayro Moreno foi lançado em profundidade, emendou de perna direita e contou com a colaboração do goleiro Artur Moraes, abrindo o marcador a favor do Atlético Nacional.

Por mais que tentassem, os comandados de Vagner Mancini eram inofensivos e não conseguiam chegar com perigo à meta defendida por Armani, nem mesmo em um dos pontos fortes da equipe, as jogadas aéreas que nascem de lances com bola parada.

Com isso, os colombianos, sem fazerem grande esforço, ampliaram o placar. Em boa troca de passes, Dayro Moreno foi à linha de fundo e voltou para Macnelly Torres, que deixou de tapa para Ibargüen, que deu finta no marcador e bateu no canto esquerdo, sem qualquer chance para o goleiro.

Chances e ineficiência

No segundo tempo, a Chapecoense voltou em ritmo acelerado. João Pedro fez ótima jogada pelo lado esquerdo e cruzou para Arthur que parou, olhou o posicionamento e bateu tirando do goleiro. Conseguiu, porém apareceu o zagueiro Henríquez para tirar em cima da linha e evitar o tento brasileiro.

Estando mais tempo no ataque, o time de Santa Catarina não sofria sustos do Atlético Nacional e as oportunidades apareciam. Novamente pelo lado esquerdo, desta vez com Osman, a bola chegou para o meio da área, onde estava Wellington Paulista que acabou finalizando para fora.

Como o futebol não tolera erros, os donos da casa praticamente selaram a vitória e o título, quando Ibargüen entortou Apodi, cruzou na segunda trave para Rodríguez, que ajeitou de cabeça para Dayro Moreno completar para o fundo das redes, marcando o terceiro tento dos colombianos na partida.

Mesmo com a desvantagem, o Verdão do Oeste tentou não se entregar, pressionava a saída de bola e tentava as principais jogadas com os laterais ou então com João Pedro pelo meio. Apodi teve nova chance em cabeçada, mas acabou cabeceando fraco nas mãos.

O Atlético Nacional sacramentou o título ao transformar a vitória em goleada. Ibargüen fez o que quis pelo lado direito da defesa da Chapecoense, trouxe para a perna direita, e bateu escorregando, mesmo assim encobriu Artur Moraes. Ainda com quatro atrás do marcador, os brasileiros não se entregaram e Túlio de Melo conseguiu descontar após cruzamento de Osman, arrancando aplausos da torcida adversária, mas era tarde para uma reação, 4×1.