Brazilian Storm no MMA: conheça as brasileiras que prometem dominar o peso palha do UFC

Conheça as brasileiras que prometem dominar o peso palha do UFC (Montagem sobre fotos de divulgação)

A expressão Brazilian Storm foi criada em 2011 se referindo à geração de jovens surfistas brasileiros que despontava e prometia dominar o circuito mundial. A expectativa se cumpriu e o país não apenas conquistou seu primeiro título mundial no surfe, com Gabriel Medina em 2014, como foi bicampeão seguido, com Adriano “Mineirinho” de Souza sendo campeão do WCT em 2015. No peso palha do MMA(categoria exclusivamente feminina, com limite de peso até 52kg), o Brasil conta com uma espécie de Brazilian Storm, uma geração que promete tirar o cinturão da polonesa Joanna Jedrzejczyk no UFC.

LEIA MAIS
Jéssica Andrade já tem a receita para vencer Joanna e conquistar o cinturão no UFC
Mackenzie Dern projeta estreia no UFC em 2017 e carreira de comentarista
Ainda aguardando estreia no UFC, Poliana Botelho promete: “Vou chegar metendo o pé na porta”

Neste sábado, Jéssica Andrade terá sua chance de conquistar o cinturão do peso palha. A paranaense enfrenta Joanna Jedrzejczyk no co-main event do UFC 211. A polonesa irá tentar sua quinta defesa de cinturão consecutiva.

Conheça as cinco brasileiras que prometem dominar a categoria peso palha do UFC:

Jéssica Andrade


Especialista na luta agarrada (judô e jiu-jitsu), Jéssica tem um cartel de 15 vitórias e 5 derrotas na carreira. Sete vitórias da brasileira foram por finalização (sendo cinco guilhotinas) e cinco delas por nocaute. Antes da criação do peso palha no UFC, a “Bate-Estaca” lutava no peso galo. Segundo a própria Jéssica, ela levava desvantagem, por ser bem mais baixa que a maioria das adversárias (1,60 m) e a mudança para a categoria de baixo foi fundamental. A paranaense de 25 anos venceu as três lutas que fez nos palhas. Contra Joanna, a brasileira espera surpreender a polonesa elevar a luta para o chão.

“A Joanna é muito versátil. A gente sabe que ela é muito rápida, tem uma trocação incrível e eu acho que a gente não pode repetir é querer se afobar. São cinco rounds. Então tem que fazer um jogo muito certo pra não chegar na hora da luta e cansar. Tem que ter explosão sempre, porque ela explode e descansa, explode e descansa. Então, nessa hora, tem que descansar junto com ela. E esperar ela vir. Ela está acostumada com as adversárias sempre indo pra cima dela. Então deixa ela vir e a gente faz um contragolpe, derruba ela e massacra”, declarou a desafiante em entrevista recente ao Torcedores.com.

Cláudia Gadelha


Apesar de ser a número 1 do ranking no peso palha, talvez a grande chance de Claudinha seja o cinturão sair das mãos de Joanna. A brasileira já fez duas lutas com a polonesa e foi derrotada ambas as vezes (estas foras as únicas derrotas de sua carreira). Tricampeã mundial de jiu-jitsu, a potiguar faz da arte suave sua grande arma. De suas 14 vitórias na carreira, seis delas foram por finalização. Sua próxima luta será no UFC 212, no Rio de Janeiro, contra a polonesa Karolina Kowalkiewicz, última desafiante ao cinturão.

Poliana Botelho


Oriunda do Muay Thai, Poliana Botelho chega ao UFC com o status de campeã. A mineira de 28 anos é a detentora do cinturão do peso mosca do XFC, tendo inclusive defendido o título em uma oportunidade. Para assinar contrato com o UFC, Poliana teve que baixar para a categoria até 52kg. A brasileira tem um cartel de cinco vitórias e apenas uma derrota no MMA. Em 2016, ela iria estrear no Ultimate contra a canadense Valerie Letourneau, mas uma fratura na mão acabou adiando sua estreia na organização.

“Eu estou querendo que ela (Joanna) guarde o cinturão direitinho para mim lá que eu estou chegando (risos). Eu estou falando que eu estou demorando a chegar, mas quando eu chegar eu já vou chegar chutando a porta!”, provocou a mineira em entrevista recente aos Torcedores.com.

Viviane Pereira


Mais conhecida como “Sucuri”, a brasileira tem um cartel invicto em suas 12 lutas profissionais no MMA. A cearense, de 23 anos, também chegou ao UFC como campeã do XFC e, antes disso, já havia conquistado o título em outros dois eventos: no Bitetti Combat e no LFC. Viviane começou sua carreira nas artes marciais praticando boxe chinês. Em dezembro do ano passado, a Sucuri estreou no Ultimate justamente para substituir Poliana Botelho contra a ex-desafiante ao cinturão do peso palha Valerie Letourneau. A brasileira venceu por decisão decidida e manteve sua invencibilidade no MMA. Para seguir caminho rumo ao cinturão, Viviane vai enfrentar Jamie Moyle no UFC 212, em junho, no Rio de Janeiro.

Mackenzie Dern

Finished one more training ✔️ Fim de mais um treino ✔️ #cantstopwontstop #felicidade #jiujitsu

Uma publicação compartilhada por Mackenzie Dern 🇺🇸🇧🇷 (@mackenziedern) em


Nascida nos Estados Unidos, Mackenzie é brasileira de coração. A lutadora de 24 anos é filha de uma das lendas do jiu-jitsu, Wellington “Megaton” Dias, e acumula uma infinidade de títulos na luta agarrada: é a atual bicampeã do Campeonato Pan Americano de Jiu-Jitsu, do Campeonato Mundial de Jiu-Jitsu e da Copa do Mundo de Jiu-Jitsu, na categoria até 59kg, campeã da Copa do Mundo de Jiu-Jitsu no absoluto, bicampeã do Campeonato Mundial de Jiu-Jitsu Sem Quimono e foi campeã do ADCC em 2015. No MMA, Mackenzie iniciou sua carreira em 2016 e já tem três vitórias em seu cartel. Ainda lutando pelo LFA, a brasileira-americana revelou que acredita numa estreia no UFC ainda em 2017.

“Eu tenho a esperança de ainda lutar no UFC esse ano, mas não tem nada confirmado. Eu acho que vou lutar de novo em julho e vamos ver como vai ser essa luta”, revelou a lutadora em recente entrevista ao Torcedores.com. Com a notícia do início do peso mosca feminino (categoria com limite de peso de até 56kg) no UFC, resta saber se ela irá continuar lutando nos palhas, já que em seus dois últimos compromissos no MMA, Mackenzie não bateu o peso.