A profissionalização do SPFC e o programa do Neto

A torcida do SPFC, nas redes sociais, está cada vez mais ativa para tentar “tirar” o programa do Neto de dentro do Morumbi. Para tanto, alegam que o jornalista (podemos assim chamá-lo, pois o STF decidiu que para o exercício da profissão é desnecessário o diploma) ofende o clube, tem uma atuação nefasta contra a Nação São Paulina e que o clube não pode aturar mais isso.

Leia mais.

CUEVA CELEBRA RETORNO APÓS LONGO PERÍODO SEM JOGOS –

BUSCANDO ESPAÇO, NEÍLTON GANHA APOIO DE CENI –

Deixando claro para os leitores, que sou São Paulino, mas isso não me impede de dizer o que penso.

Bora lá.

Vejo uma dubiedade sem tamanho, ao menos naqueles que pretendem e “lutam” pela “profissionalização do SPFC”, vir publicamente e brigar pela extinção do contrato que permite que o Neto apresente o programa no Morumbi. Explico.

Se a luta é pela profissionalização, o “sentimento” de torcedor tem que ser posto de lado, à parte, deve ser irrelevante. Eis que, profissionalmente, o clube tem que ver o melhor para si, negocialmente falando. Sendo assim, se há um espaço, pode ser alugado, gerar renda, porque não?

E isso não tem a ver com a “venda da honra”, “não vale o preço”, etc. A honra do SPFC não está em jogo, apenas o espaço, onde um jornalista pode e deve proferir seus próprios pensamentos. Ele é um profissional, o SPFC também tem que ser.

Rescindir o contrato, poderá gerar, em regra gera, punição por responsabilidade contratual, a multa rescisória. Ou seja, isso afetará ainda mais o SPFC financeiramente. E não importa se o valor irá acabar com o orçamento do SPFC ou não, eis que de “grão em grão” a “galinha enche o papo” (entendam “galinha” como bem quiserem, eis que também sou São Paulino).

E, ademais, se o Neto vir a ofender o clube, de dentro do Morumbi, o correto, o “profissional” não é rescindir o contrato de locação, mas INGRESSAR COM AÇÃO JUDICIAL POR DANOS MORAIS. Já pensaram em como isso é um limitador de condutas? Que o SPFC, além dos alugueres, ainda seria ressarcido pelo dano suportado?

Repito, a própria Constituição Federal garante àquele que tem seus direitos personalíssimos, como a honra, ofendidos, o Direito de Reparação. Esse é o caminho que DEVE ser tomado pelo SPFC.

Isso, de fato, seria o correto, Mas, os “entendedores” de plantão acham que é melhor rescindir o contrato. Pois bem, isso de profissional não tem nada, o que demonstra que a “luta pela profissionalização” é apenas aquela direcionada para o que querem, manter o sentimento PARCIAL de torcedor.

Repito, isso é um contrassenso.

Aurelio Mendes – @amon78