Com ressalvas, comentarista diz que Corinthians de 2017 lembra Palmeiras de 2012

Copa do Brasil
Foto: Divulgação/Palmeiras

Mesmo após a conquista do título do Campeonato Paulista, o elenco do Corinthians ainda levanta algumas dúvidas para a continuação da temporada. Para o comentarista da ESPN Arnaldo Ribeiro, o time de 2017 lembra a equipe do Palmeiras em 2012.

Na época, o time treinado por Felipão conquistou o título da Copa do Brasil, ainda no antigo formato da competição, mas foi rebaixado no final do ano no Campeonato Brasileiro depois de campanha irregular, chegando a priorizar o mata-mata em algumas oportunidades.

LEIA MAIS: Edmundo fala sobre Paulistão: “Se fosse pontos corridos, campeão era outro”

“O grande desafio é saber como vai ser o ano do Corinthians. Esse título, na minha opinião, e acho que estou tranquilo quanto a isso até porque eu ‘chutei’ o Corinthians como campeão paulista, guardando as proporções, me lembra um pouco o do Palmeiras campeão da Copa do Brasil de 2012”, afirmou no programa Linha de Passe.

O comentarista comparou as duas campanhas ao lembrar do Palmeiras que, segundo ele e os jogadores de 2012, ganhou a competição depois de vencer o Grêmio no Olímpico, algo que animou o time para a sequência. Para Arnaldo, o Corinthians conseguiu um rumo depois da vitória sobre o São Paulo, no Morumbi, pela semifinal do Paulistão.

Alerta para o Corinthians de 2017

Arnaldo Ribeiro também fez um alerta para o elenco atual do Corinthians e outra vez usou o Palmeiras de 2012 como exemplo.  “Aquele Palmeiras não soube aprender com o título. Depois a harmonia que existia internamente acabou. O que viu o palmeirense a partir dali, quando começou a fase decisiva do Brasileiro, é que o Palmeiras tinha uma série de lições para aprender, entre as quais que o elenco não era suficiente e isso iludiu o time por um tempo”.

“Não estou dizendo que o Corinthians vai ser rebaixado, até porque acho esse time melhor do que o Palmeiras em 2012. Outro ponto importante é que esse time sabe das suas limitações. Se eles se vêem no final do ano entre os dez primeiros e eventualmente uma vaga na Libertadores, acho que está no rumo certo. Agora, se tem ambições maiores então tem que investir, senão quebra a cara”, concluiu.