Tite vê final do Carioca no Maracanã e ouve de flamenguista: “chame o Pará”

Reprodução/Twitter

O técnico Tite esteve presente, neste domingo, no Maracanã para acompanhar a primeira partida da final do Campeonato Carioca entre Fluminense e Flamengo. Quando chegou ao estádio, o treinador da Seleção Brasileira foi paparicado por torcedores e até deu tempo para ouvir um pedido para lá de inusitado de um flamenguista. “Chama o Pará, ele está voando”, disse o sujeito.

LEIA TAMBÉM:
Quantos ídolos do Flamengo você consegue reconhecer? Faça o teste!

Tite ficou em uma das cabines no decorrer do clássico e, no intervalo, desceu para falar com a imprensa carioca. Com o placar parcial em 1 a 0 para o Flamengo, o treinador concordou com o marcador.

“O Flamengo está melhor. O resultado no intervalo é justo. Se eu conheço o Abel (técnico do Fluminense), ele deve estar inquieto para fazer a equipe jogar mais do que está jogando”, opinou Tite. Mas e por quê acompanhar o Fla-Flu, professor?

Ele respondeu. “Acredito que os Estaduais, em momentos decisivos, a atmosfera, o clima, a energia, tudo isso envolve pressão psicológica, a responsabilidade do título, grandeza dos clubes, necessidade de avaliar os trabalhos para a sequência do ano. Tudo isso pressiona e formam grandes atletas (…) Estou no Rio. O Cléber (Xavier, auxiliar) está em São Paulo. Tem gente acompanhando Minas, depois vou assistir o resto pela TV. Faz parte desse acompanhamento”.

O treinador está em alta com os brasileiros, já que, desde que substituiu Dunga no comando, está invicto à frente da equipe. São oito vitórias em oito jogos, o que garantiu antecipadamente a vaga canarinho para a Copa do Mundo de 2018, na Rússia.

Apesar do pedido do torcedor do Flamengo, Tite ainda não está convencido em chamar Pará. Nas últimas convocações, o técnico do Brasil convocou Daniel Alves, da Juventus-ITA, e Fágner, do Corinthians, para a lateral direita. Fabinho, do Mônaco, Mariano, do Sevilla-ESP, e até Marcos Rocha, do Atlético-MG, já foram lembrados.



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.