Tite revela que se ‘encantou’ com Gabriel Jesus pelo Palmeiras: “nos clássicos era animal”

Gabriel Jesus
César Greco / Ag. Palmeiras

Um dos grandes nomes da ‘virada’ da Seleção Brasileira após a chegada do técnico Tite é o atacante Gabriel Jesus. Revelado pelo Palmeiras, o atacante teve um crescimento muito rápido na carreira, conquistando o ouro olímpico na Rio 2016, estreando no selecionável principal e iniciando com o pé direito na Inglaterra.

Comandante responsável por dirigir o Brasil nos últimos 9 jogos das Eliminatórias, vencendo todos eles, Tite participou do programa Cartão Verde, da TV Cultura, e elogiou o ex- camisa 33 do Verdão, que foi seu rival em clássicos, quando ainda dirigia o Corinthians.

LEIA MAIS:

TITE ADMITE QUE ESPERAVA O CONVITE PARA A SELEÇÃO DESDE 2014: “FIQUEI FRUSTRADO”

TITE CITA SEUS MAIORES DESAFIOS À FRENTE DA SELEÇÃO: “CONFIRMAÇÃO E CRESCIMENTO”

SAIBA QUEM SERÁ O RIVAL DO PALMEIRAS NAS OITAVAS DE FINAL DA COPA DO BRASIL

AVAÍ DEMONSTRA INTERESSE EM LUAN, EMPRESTADO PELO PALMEIRAS AO RED BULL BRASIL

“Todos os enfrentamentos contra o Palmeiras eu dizia assim: ‘mas não é possível, cara. [O Gabriel Jesus] era vertical; competia, segurava o Gil, sustentava o Felipe’, eu dizia: ‘pô, o que que esse moleque tem?’”, falou Tite.

As principais qualidades do atacante de 19 anos foram destacadas pelo técnico. Apesar de atuar como um 9, Jesus tem a característica de se mover para abrir espaços para os companheiros.

“Ele tem um torque (físico) muito grande. Um senso coletivo extradiornário. A infiltração, por vezes que o Neymar faz, ele vem e compensa do lado”, analisou Tite.

Antes de estrear na Seleção Brasileira Principal, sem sentir o peso de seu primeiro jogo, Gabriel Jesus já tinha feito o mesmo pelo Verdão e também pela Seleção Olímpica.

De acordo com Tite, as grandes atuações de Jesus nos dérbis paulistas e o trabalho do atacante na Sub-23, criaram expectativa para a estreia na Principal, a qual foi respondida com sucesso e gols, contra o Equador.

“Claro que ficou a expectativa no seguinte sentido: contra mim, nos clássicos era animal. Na sequência, com o Micale, ele fez um grande trabalho na Seleção Olímpica, o que também dá uma sustentação, mesmo sendo em uma posição diferente da que ele está atuando.

O terceiro estágio eu digo: ‘cara, será que ele vai ter a naturalidade de jogar aqui? De botar a amarela e não se inibir? Num jogo de tamanha invergadura como era contra o Equador? De tamanha responsabilidade que era?’. Eu tinha essa expectativa”, completou Tite.