Rexona vence o Vôlei Nestlé no tie-break e é campeão da Superliga Feminina

Superliga feminina
Foto: Divulgação/Facebook Rexona-Sesc

Rexona e Vôlei Nestlé se enfrentaram pela final da Superliga feminina de vôlei da temporada 2016/2017 no Parque Olímpico e fizeram um jogo que entrou para a história, como uma das melhores finais de Superliga da história, conquistada pela equipe do Rio, mais uma vez.

Em um jogo muito equilibrado, a equipe carioca conquistou a competição pela 12ª vez, a quinta conquista seguida. O jogo teve cinco sets, com parciais de 25 /19, 22/25, 25/ 22, 19/25 e 15/6.

No primeiro set, o Rexona começou avassalador. Abriu 5 a 1 logo no começo. O time paulista reagiu, deixando a série em 11 a 10 para as cariocas. Mas o time de Bernardinho buscou outra sequência de pontos e não foi mais alcançado no set, fechando em 25 a 19.

Após ter perdido o set inicial o Osasco venceu por 25 a 22. O Rio começou firme novamente, mas não foi constante como no set inicial. As equipes chegaram a alternar pontos, mas com Tandara inspirada, o time paulista buscou a vitória no set e empatou a partida.

No terceiro set,as equipes mantiveram um equilíbrio incrível durante quase todo o tempo. Muitos ralis, contra-ataques, pontos polêmicos e ataques surpresas, como bolas de segunda. Um dos mais emocionantes da edição da Superliga. Tandara saiu de quadra e o time paulista caiu de produção. O Rio cresceu e venceu o set por 25 a 22.

O Nestlé não poderia perder o quarto set, pois assim acabaria a Superliga e o Rexona seria campeão. Valia o título para a equipe carioca e para as paulistas a sobrevivência para levar o jogo ao tie-break. O Osasco começou bem e manteve o ritmo, fazendo com que Bernardinho gastasse seus dois tempos quando o placar apontava 12 a 7 para o Osasco. A vantagem só aumentava, chegando ao dobro do rival: 18 a 9. O time administrou a vantagem e venceu por 25 a 19.

No tie-breake, o Rio cresceu. Abriu uma grande vantagem desde o começo, chegando a ficar em 8 a 2. As paulistas estavam nervosas e não conseguiram buscar a reação. O time de Bernardinho, por sua vez, só aumentava a pontuação, chegando a 10 a 3. Nervosa, a equipe de São Paulo cometia muitos erros. Não conseguiu se estabilizar e o Rexona aproveitou, fechando o placar em 15 a 6.



Jornalista formado pela FIAM FAAM. Apaixonado por futebol independente do país ou divisão. Setorista do Inter e esportes olímpicos. Contato: mohamed.nassif12@hotmail.com