Quem é melhor: Real Madrid ou Corinthians ou então São Paulo e Barcelona

São Paulo e Corinthians fizeram um super majestoso em 1987. 3 a 3, fora o show.

Nesse domingo tivemos dois clássicos que movimentam milhares de fãs mundo afora.

O primeiro válido pelo Campeonato Espanhol poderia decidir antecipadamente o título em favor do Real Madrid em caso de triunfo, já que tinha três pontos de vantagem sobre o grande rival e um jogo a menos, faltando somente 5 rodadas para o encerramento da competição.

LEIA MAIS:
CONFIRA AS NOTAS DOS JOGADORES DO SÃO PAULO APÓS O CLÁSSICO CONTRA O CORINTHIANS

O segundo valia vaga na final do campeonato paulista para disputar o título com a já garantida Ponte Preta, com ampla vantagem para o Corinthians sobre o oponente São Paulo, pois houvera vencido a primeira semifinal na casa do adversário pelo placar de dois a zero, podendo perder por até 1 gol de diferença que mesmo assim garantiria sua condição de finalista. A essa altura todos já sabem o resultado dos jogos e as suas consequências, com o Barcelona mais vivo do que nunca no espanhol, assim como o Timão garantido na disputa com a Macaca de Campinas, reeditando 40 anos depois a emblemática final de 1977, quando o time da capital se sagrou campeão após um longo jejum de 23 anos.

Todavia, esse texto não enseja avaliar os resultados, se foram merecidos ou não, outrossim analisar a qualidade dos jogos em si, tais como a velocidade, intensidade, habilidade, funções táticas e craques que podem num milésimo de segundo resolver uma partida. Nesse contexto fica latente a diferença entre os dois jogos, com ampla superioridade para o torneio europeu. Uma partida elétrica, intensa, com vários momentos de supremacia, ora para Real Madrid, ora para Barcelona.

Por aqui, aquele mesmo ritmo de jogo, lento, cadenciado, com poucas alternância de táticas, ou de propor o jogo, daí a provocação do título. Atualmente não tem como comparar qualquer equipe em atividade no Brasil com as melhores equipes dos torneios europeus, é abissal e chega a ser desanimador. A única exceção nos momentos atuais, é a seleção brasileira treinada pelo Tite, que pratica o mesma filosofia dos europeus, com a vantagem de ter material humano em abundância pelas bandas daqui. A conferir, a provocação está lançada.