Palmeiras passa longe de goleada, vence a Ponte Preta por 1×0 e está fora do Paulistão

Palmeiras x Ponte Preta
Foto: Divulgação/ Site Oficial do Palmeiras

A missão do Palmeiras na noite deste sábado era ingrata. Após ser derrotado por 3×0 pela Ponte Preta, em Campinas, o Verdão precisava golear por quatro gols de diferença para ir à final do Campeonato Paulista. Apesar da necessidade e da estratégia ofensiva, apostando bastante em bolas aéreas, a equipe do técnico Eduardo Baptista balançou as redes de Aranha apenas uma vez e deu adeus ao Estadual.

O único gol da partida foi marcado por Felipe Melo, meio que sem querer, depois de cobrança de escanteio de Michel Bastos, quando o relógio já marcava 37 minutos de segundo tempo.

LEIA MAIS:

GALIOTTE ELOGIA ATUAÇÃO DO VERDÃO, EXALTA A TORCIDA E BANCA EDUARDO BAPTISTA

“DEUS TEM COISA MUITO GRANDE PARA NÓS”, DIZ FELIPE MELO APÓS ELIMINAÇÃO DO PALMEIRAS

PONTE PRETA NÃO É UMA SURPRESA, DIZ FELIPE MELO: “FALAR DE FUTEBOL COMIGO É COMPLICADO, PORQUE EU ENTENDO”

Primeiro tempo

Buscando atacar desde o início da partida, o Palmeiras finalizou pela primeira vez logo com um minuto, com Borja, que cabeceou por cima do gol de Aranha.

O primeiro lance perigoso aconteceu aos 3 minutos, quando Guerra, em um cabeceio, obrigou o goleiro adversário a fazer grande defesa. Aos 6’, Róger Guedes tentou de cabeça e mandou à direita do gol pontepretano.

Conseguindo se defender e tentando sair em contra-ataques, a Macaca teve boa chance com William Pottker, aos 13’, mas a finalização do camisa 9 foi pela linha de fundo.

Mas esta escapada foi a única da Ponte Preta antes do intervalo. Aos 22’, Róger Guedes fez jogada individual e, marcado, chutou na rede pelo lado de fora.

Com 30 minutos o Palmeiras chegou a colocar a bola na rede com Dudu, mas o assistente de bandeirinha anulou corretamente o gol do camisa 7.

O colombiano Miguel Borja teve boa oportunidade aos 35’, quando Aranha falhou. Mas, sem ângulo, o camisa 12 do Verdão não conseguiu acertar o alvo no chute.

Em uma sobra de um cruzamento para a área, aos 39’, Guerra finalizou forte e Aranha salvou sua equipe, espalmando para escanteio.

Segundo tempo

Mesmo precisando marcar quatro gols para classificar, Eduardo Baptista preferiu não fazer alterações no intervalo e o Palmeiras voltou para o jogo com a mesma equipe.

A primeira oportunidade do Verdão na segunda etapa foi com Edu Dracena, que cabeceou alta demais após cobrança de falta de Egídio, aos sete minutos.

Com 13 minutos, o técnico do Verdão fez sua primeira alteração, colocando Michel Bastos no lugar de Tchê Tchê.

Aos 15’, William Pottker tentou de peixinho, depois de um cruzamento, e a bola passou perto do gol defendido por Fernando Prass.

O goleiro alviverde teve que trabalhar de líbero aos 23’, quando Lucca foi lançado em velocidade, sem conseguir chegar na bola para fazer o domínio.

Sem criar chances ou receber uma oportunidade, Borja deixou o campo vaiado aos 25’ para a entrada de Willian. Logo na sequência, foi a vez de Keno ir para o gramado no lugar de Egídio. Em sua primeira tentativa, aos 27’, Keno driblou o zagueiro adversário e obrigou Aranha a espalmar para escanteio.

Depois de tanto insistir, o Palmeiras chegou ao seu gol em um lance de bola aérea. Após escanteio de Michel Bastos, aos 37′, Aranha falhou e a bola bateu em Felipe Melo, antes de ir para no fundo das redes.

A última oportunidade de gol da partida foi da Ponte Preta. Aos 47′, Pottker avançou sozinho, chegou cara a cara com Prass, mas perdeu a bola para o goleiro do Verdão.

Ficha técnica:

Local: Allianz Parque

Público: 39.086

Renda: R$ 2.912.614,52

Árbitro: Raphael Claus

Assistentes: Bruno Salgado Rizo e Luiz Alberto Andrini Nogueira

Palmeiras: Fernando Prass; Jean, Yerry Mina, Edu Dracena e Egídio (Keno); Felipe Melo; Róger Guedes, Tchê Tchê (Michel Bastos), Guerra e Dudu; Miguel Borja (Willian)

Ponte Preta: Aranha; Jeferson (Naldo), Marllon, Yago e Artur; Élton, Fernando Bob e Jadson (Wendell); Clayson (Lins), William Pottker e Lucca