Série entre Mogi Basquete e Vitória marca duelo de americanos

A disputa entre Mogi Basquete e Vitória começa hoje, às 19 horas, no Ginásio Poliesportivo de Cajazeiras, na capital baiana.

A atual temporada tem sido muito boa para o Mogi Basquete. A equipe já foi campeã paulista e da Liga Sul-Americana. Após estas conquistas, começa mais uma disputa de mata-mata para os paulistas: os playoffs do NBB (Novo Basquete Brasil). Neste sábado, a equipe vai enfrentar o Vitória, em Salvador, às 19 horas. Esta série vai ser marcada por um duelo de norte-americanos.

LEIA MAIS:
LeBron dá show e Cleveland Cavaliers está próximo da classificação para a próxima fase da NBA.

Do lado do Mogi, o técnico Guerrinha conta a dupla formada por Shamell e Tyrone. Dentre os jogadores que estão disputando os playoffs, o ala é o que tem maior média de pontos por partida: 19,8. Não por acaso, ele foi o melhor jogador do Jogo das Estrelas pelo segundo ano seguido. Já o ala-pivô, se destaca pela sua entrega defensiva e pela presença no garrafão. Tyrone é o principal reboteiro defensivo da equipe. A média do norte-americano é de 5,23 por jogo.

Os paulistas, apesar de começarem o confronto jogando fora de casa, querem a vitória para confirmar a boa fase no ano. Vale lembrar que além dos títulos, o Mogi das Cruzes teve duas premiações individuais no Jogo das Estrelas: Shamell foi o MVP e o ala-pivô ganhou o Desafio de Habilidades.

Logo na sua primeira temporada, Keyron tem sido um dos destaques do Vitória.
Reprodução: site da LNB

 

No outro lado, os baianos contam com Dawkins e Keyron. O primeiro já tem mais experiência no NBB e tem correspondido às expectativas. Ele é a principal esperança do Vitória para a inédita classificação para as semifinais da competição nacional. O armador de 29 anos já defendeu o Paulistano e a Liga Sorocabana, e está acostumado a decisões. Na temporada 2013-14, ele foi vice-campeão do Novo Basquete Brasil pelo time da capital paulista.

Além dele, o técnico Régis Marrelli conta o ala Keyron. O norte-americano não teve muitas dificuldades na sua adaptação no Brasil e logo na sua primeira temporada pelo Vitória, ele já é um dos destaques do time. O camisa três abriu o caminho para a vitória suada da equipe na série, por 3 a 2, contra o Campo Mourão, nas oitavas. No primeiro triunfo, ele foi o cestinha da equipe com 18 pontos.