Mauro Cezar: “Palmeiras ser eliminado pela Ponte é uma vergonha”

Peñarol x Palmeiras
Foto: Reprodução/ESPN

O técnico Eduardo Baptista conheceu sua primeira grande frustração à frente do Palmeiras em 2017. No último sábado, o Verdão foi eliminado do Campeonato Paulista mesmo vencendo a Ponte Preta por 1 a 0, no Allianz Parque. A Macaca soube se defender muito bem e manteve a vantagem construída no jogo de ida, em Campinas, de 3 a 0. Como a imprensa esportiva em geral repercutiu o resultado do Alviverde?

LEIA TAMBÉM:
Dudu se revolta com impedimento em Palmeiras x Ponte e “chilique” virada piada nas redes sociais

Pelo discurso, Eduardo Baptista pode “sacar” Borja do Palmeiras contra o Peñarol

Apesar de a grande maioria dos jornalistas terem reconhecido a superioridade do Verdão no jogo de volta, Eduardo parece não estar muito seguro do elenco caríssimo e vasto de opções que tem nas mãos.

Muitos nomes conhecidos da área esportiva criticaram o treinador do Palmeiras, que, inclusive, foi garantido pelo presidente Maurício Galiotte até o término da temporada. Em comentário no programa Bate-Bola na Veia, o comentarista da ESPN Brasil, Mauro Cezar Pereira, disse considerar uma vergonha um clube com alto investimento, como o Palmeiras, ser eliminado por uma equipe com elenco mais modesto.

”Tudo bem que o estadual não é a coisa mais importante do mundo, mas se minimiza certos resultados de elencos caros. Para o Palmeiras, ser eliminado pela Ponte Preta é uma vergonha. E para a Ponte Preta é um orgulho, porque já eliminou o Santos, agora o Palmeiras e pode ganhar de São Paulo ou Corinthians na final e ser campeão paulista”, disparou o jornalista.

RESUMO

Veja só o que os jornalistas disseram sobre o revés do Palmeiras no Paulistão:

MAURO CEZAR PEREIRA: Há muita tolerância com alguns times que tem investimento grande. Palmeiras foi eliminado agora e ‘ah, a torcida foi linda’. Foi eliminado pela Ponte Preta, heroica, com um orçamento muito menor e aí se minimiza’.

PAULO VINÍCIUS COELHO (PVC): Críticas explodem nos ombros de Eduardo Baptista. Natural que seja assim. O Palmeiras não conseguiu se transformar num time confiável, apesar de evoluir no aspecto coletivo com sua nova maneira de jogar. Troca mais passes, triangula mais, mas tem dificuldade para abrir espaços na defesa adversária. É um contraste com a campanha do título brasileiro do ano passado, quando Cuca fazia a equipe roubar a bola na parte da frente e definir rapidamente as jogadas.

Arte: Torcedores.com

MAURO BETING: O Palmeiras, pelo investimento, e pela péssima atuação em Campinas, não pode reclamar. Só repensar. Mesmo criando 15 chances contra uma Ponte bem armada, mesmo atuando bem, o Palmeiras decepcionou. Se não na primeira vez em que em que enfim ganhou da Macaca em casa, certamente por tudo que se esperava. E foi investido. A Ponte foi grande. E tem condição de ser ainda maior. O Palmeiras mereceu os aplausos finais e o abraço da torcida durante a semana. E merece a cobrança do tamanho da expectativa. Como Eduardo precisa ser cobrado pelo desempenho instável da equipe.

BLOG DO PERRONE: O filho de Nelsinho precisa se concentrar mais em fazer o Palmeiras ter um desempenho à altura do investimento feito no grupo e cutucar menos seus atletas. Assim como Borja sabe que não está fazendo os gols vitais para sua carreira, Baptista deve ter consciência de que o futebol apresentado pelo alviverde até aqui não é o esperado por torcida e diretoria. Depender exclusivamente de raça, determinação, não é coisa para quem investiu tanto na formação do elenco como no caso palmeirense.

BLOG DO MENON: Borja e Guerra estão devendo e muito. Gostei das trocas de Eduardo Baptista. A lateral esquerda é o ponto fraco do milionário elenco do Palmeiras.

ALEXANDRE PRAETZEL: O Palmeiras entra em debate, com uma eliminação inesperada, pelo investimento que fez. Nomes como Guerra, Borja, Michel Bastos, William, Felipe Melo e Raphael Veiga são bons reforços para qualquer time. O Verdão pode jogar mais e evoluir. Eduardo Baptista precisa achar variações de esquema, extraindo as principais qualidades dos seus comandados.



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.