Filho de Cléber Santana é reprovado em peneira da Chapecoense e viúva desabafa

A relação envolvendo as viúvas dos jogadores e a Chapecoense, que já não é das melhores, ganhou mais um capítulo. O filho mais velho de Cléber Santana, conhecido como Clebinho, foi reprovado em teste das categorias de base do clube catarinense, o que gerou descontentamento na mãe dele, Rosângela Loureiro.

“Achei um absurdo. Como que faz isso com uma criança que está passando pelo que ele está passando? Quando o pai era vivo, jogava lá. Depois que morreu, não serve”, contou a viúva do meio campista da Chape em entrevista ao site GloboEsporte.com.

LEIA MAIS:
LIBERTADORES: VEJA A ANÁLISE DO DESEMPENHO DA CHAPECOENSE NO SEU GRUPO

O garoto tem 14 anos e foi reprovado em janeiro. Ele já havia passado um período treinando em 2016, porém, de acordo com Rosângela, estava ficando cansativo e decidiram parar com os treinamentos, que seriam retomados em 2017. No entanto, na volta, com 683 inscritos, o rendimento foi abaixo do esperado, segundo o clube.

“Os amigos dizem que é canhoto, que vai ser igual o pai. Aí, chegou lá e não passou por estar sem condicionamento. Como uma criança, passando por isso tudo, vai ter condicionamento? Se fosse uma pessoa sensata, não faria isso. Ele quando crescer quer começar na Chapecoense. Eu disse: “Você começa onde for, mas não nessa Chapecoense”, afirmou a viúva.

Responsável pelas categorias de base da Chapecoense, Mano Dal Piva contou, também entrevista ao GloboEsporte.com, revelou que o porte físico franzino e pequeno do garoto pesou na decisão, mas disse que as portas seguem abertas no clube do Oeste Catarinense. ” Ele pode voltar daqui a três meses, avaliamos, fazemos algo diferente. Se percebemos que qualquer um tem potencial, desenvolver, é algo bem tranquilo […] Ninguém está fora e ninguém está garantido”, completou.

Cléber Santana foi uma das 71 vítimas do acidente aéreo com o avião da LaMia em novembro do ano passado. Na ocasião, jogadores, membros da comissão técnica, jornalistas e tripulantes perderam a vida no voo que estava indo para Medellín, na Colômbia, onde aconteceria a primeira partida da decisão da Copa Sul-Americana entre Chapecoense e Atlético Nacional.