F1 2017: Veja o que os pilotos disseram após o GP da Rússia

Crédito das fotos: Divulgação / Twitter oficial F1

O GP da Rússia de F1 terminou com a vitória de Valtteri Bottas, da Mercedes, superando Sebastian Vettel, da Ferrari. Após a corrida, que teve ainda Kimi Raikkonen, também da Ferrari, concluindo o pódio, vários pilotos analisaram seus desempenhos.

O finlandês venceu pela primeira vez na categoria, tornando-se o 107º piloto diferente a chegar ao primeiro lugar e o quinto do seu país a conseguir o triunfo.

LEIA MAIS
BOTTAS ASSUME A LIDERANÇA NA LARGADA E VENCE PELA PRIMEIRA VEZ
VEJA A REPERCUSSÃO DA PRIMEIRA VITÓRIA DE BOTTAS NAS REDES SOCIAIS

O vencedor da prova, evidentemente, era o mais satisfeito. “É um pouco surreal. Espero que seja a primeira de muitas. Pessoalmente, é com certeza uma das melhores corridas que já fiz. Nunca duvidei das minhas habilidades, mas isso me dá mais confiança, então espero apenas corridas ainda melhores a partir dessa. Estou afiado para provar mais nas próximas corridas ”, declarou Bottas.

Fernando Alonso, prosseguindo seu calvário na Mclaren, nem chegou a largar. “Não há nada o que possamos fazer do ponto de vista do piloto”, lamentou. “Guiamos o mais rápido que pudemos, ajudamos a equipe o melhor que pudemos, nos preparamos fisicamente e com toda a engenharia e aí chegamos aqui e tudo deliga. É frustrante”, completou.

No pódio, Raikkonen reconheceu que não teve um início feliz de temporada, mas projeta melhor desempenho. “Comecei um pouco mal a temporada. Esse fim de semana foi um passo a frente, mas vou continuar tentando melhorar”.

Outro que lamentou não ter tido melhor sorte foi Lewis Hamilton. O inglês, por outro lado, não deixou de rasgar elogios ao novo companheiro de equipe. “Bottas é um companheiro de equipe fantástico e é um sentimento incrível vencer um GP. Para mim, foi um final de semana difícil. Não fui rápido o suficiente. Acho que tinha ritmo para brigar com Kimi [Raikkonen] mas o carro superaquecia. Pelo menos consegui alguns pontos para a equipe”.

Romain Grosjean, da Haaas e Jolyon Palmer, da Renault, divergiram sobre as causas do acidente. Para o francês, representante da equipe americana, a culpa da batida foi do piloto inglês. “Começamos bem. Eu estava por dentro antes de Palmer frear e não sei porque ele virou. Estava lá e ele virou. Tentei evitar o máximo que pude, mas ele simplesmente me acertou, girou e me acertou de novo. O carro ficou seriamente danificado e a corrida terminou para mim”.

Palmer rebateu o francês, culpando o piloto adversário pelo incidente que tirou os dois da prova. “Tive um início de prova decente e havia uma Sauber ao meu lado. Então, Romain [Grosjean] fez um movimento bastante ousado pela zebra. Não havia espaço para mim por causa da Sauber e é possível que Grosjean não soubesse disso e então ele continuou, me acertou e nós dois saímos da prova. Foi uma pena para os dois lados”.

 

Max Verstappen, por sua vez, não fez uma corrida brilhante com a Red Bull, mas não se mostrou insatisfeito com o resultado. “Eu via os carros na minha frente se distanciando e eu também ia me distanciando dos carros que estavam atrás, então tentei apenas ‘guiar o carro para casa’.

O holandês admitiu que teve problemas pela manhã, mas agradeceu os mecânicos da equipe por conseguirem entregar um carro em condições de concluir a prova. “Barcelona é especial para mim, então estou animado para voltar lá e ver o que posso fazer”, concluiu.

Por fim, Daniel Riccardo não completou a prova e comentou sobre o problema que enfrentou. “Depois do safety car eu olhei no retrovisor para ver onde estava a Force India e percebi que o freio traseiro estava pegando fogo. Avisei a equipe, que me pediu para voltar ao boxes, com muito cuidado”, descreveu o australiano.



Mídias Sociais da AS Roma Brasil, MBA em Gestão Estratégica de Negócios, blogueiro desde 2007 e radialista amador. Escreve sobre futebol italiano, automobilismo e o que aparecer, mas gosta mesmo é de contar boas histórias