Escudero admite início ruim e revela como pretende “dar a volta por cima” no Vasco

Vasco
Foto: Nelson Costa/Vasco.com.br

Contratado como um dos pilares da reconstrução do Vasco após a má campanha na Série B em 2016, o meio-campista Escudero não conseguiu render o esperado até o momento mas sabe como mudar esse panorama ainda nesta temporada.

O jogador argentino de 30 anos admite que ainda não conseguiu demonstra seu melhor futebol com a camisa cruzmaltina, mas aposta suas fichas no longo Brasileirão para recuperar o tempo perdido.

LEIA MAIS:

VASCÃO TESTA NOVA FORMAÇÃO EM JOGO-TREINO NESTE SÁBADO; CONFIRA
CRUZMALTINO TEM BOA NOVIDADE NO TREINAMENTO DE SEXTA EM SÃO JANUÁRIO

“Sigo com uma expectativa muito boa para este ano com a camisa do Vasco. Não adianta você ficar lamentando o que passou, é preciso focar no que vem pela frente. Estamos cientes que não tivemos um início de temporada que queríamos, e nem individualmente eu consegui render o que eu posso e estou acostumado”, disse o jogador do Vasco em entrevista ao “Lance!“.

“Temos um Brasileiro inteiro pela frente para dar a volta por cima. E é com esse pensamento que estamos trabalhando neste período sem jogos”, completou.

Eliminações e pressão

Neste primeiro semestre da temporada, o Vasco disputou duas competições e apesar de ter chegado às semifinais do Campeonato Carioca – foi campeão da Taça Rio -, foi também eleinado de forma precoce na Copa do Brasil , diante do Vitória na terceira fase e o elenco ficou pressionado.

“Todos aqui estão acostumados com pressão. O futebol é assim quando se joga em time grande. O que precisamos é deixar tudo ali dentro do campo. E é isso que está acontecendo no nosso dia-a-dia. Todos com um único objetivo: dar o seu melhor para termos um Vasco muito competitivo na principal competição que temos na temporada, que é o Brasileiro”, disse Escudero, que ainda deu a receita para ir bem no Campeonato Brasileiro.

“É uma competição muito boa de jogar. São times de bom nível, em estádios em boas condições. Uma competição que é preciso ter equilíbrio para alcançar regularidade ao longo dos 38 jogos”, finalizou.