Eduardo Baptista promete “abafa” do Palmeiras e não descarta substituições no 1º tempo

Foto: Cesar Greco / Ag. Palmeiras

A pressão por si só de ter perdido de 3 a 0 o jogo de volta em Campinas já obrigaria a Eduardo Baptista promover um Palmeiras extremamente ofensivo, neste sábado, no Allianz Parque. Em entrevista coletiva na véspera do confronto, o treinador alviverde não quer mais lembrar da passividade que a equipe mostrou na partida de ida da semifinal do Campeonato Paulista e prometeu aos mais de 36 mil torcedores – eles sairão da arena orgulhosos do seu time.

LEIA TAMBÉM:
Torcida do Palmeiras vai à Academia apoiar o time antes de jogo contra a Ponte
Até o final: veja como Mauro Beting manteve a fé no Palmeiras ao longo da semana

“O Palmeiras procura uma intensidade maior nos primeiros 15 e 20 minutos. Nesse jogo também. (O time) Está mais inteiro, tentar marcar um pouco mais em cima, agredir a Ponte para conquistar o resultado. Não sei em que momento vamos chegar aos gols, mas vamos apertar até o fim da partida para chegar ao placar”, pregou o técnico ao se referir à tática de pressionar o adversário.

“Tenho certeza de que o torcedor vai sair orgulhoso. Pode acontecer de não fazermos os quatro gols, fazer três e sair nos pênaltis. Mas a postura que estamos trabalhando é de dar orgulho. Devemos isso a eles. Viemos de três jogos excepcionais. Nove gols em três jogos, e cochilamos contra a Ponte. Nós cobramos isso”, completou.

Ao longo da semana, o comandante fechou os treinos para montar uma estratégia surpresa contra sua ex-equipe. Eduardo confirmou que a escalação será definida apenas depois do treino desta tarde, mas já tem opções para caso o plano A falhar.

“Os treinos fechados são para criar alguma coisa nova para que a gente possa surpreender a Ponte, principalmente na parte ofensiva. A Ponte deve vir marcando no 4-4-2 ou 4-1-4-1, por isso testamos algumas coisas. Se no início não der certo, posso até fazer mudanças no 1º tempo. Temos que agredir a Ponte, mas ao mesmo tempo ter equilíbrio na transição defensiva”, pontuou o treinador.

CONFIANÇA

Até aqui em 2017, o Palmeiras já conseguiu quatro vezes o resultado que, no mínimo, levaria a disputa para os pênaltis. Uma delas veio contra o São Paulo, com vitória por 3 a 0. Tudo isso faz com que Eduardo e os jogadores mantenham a esperança de que é, sim, possível reverter o marcador nos 90 minutos.

“Quando acabou o jogo, logo recebemos mensagens do Palmeiras de 1998, de 2000, de grandes viradas. Viramos contra o Santos dentro da Vila Belmiro. Viramos um jogo contra o Peñarol. Na volta para o segundo tempo poderíamos ter feito quatro gols em 15 minutos. Esse grupo já deu indícios de que pode fazer. O clássico contra o São Paulo, 3 a 0 com imponência”, disse o técnico.

Para avançar à final do Estadual, o Palmeiras precisa ganhar por uma diferença de quatro gols. Em caso de vitória por três gols de saldo – independentemente do placar -, a decisão vai para as penalidades.



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.