Conmebol ordenou trancar portão de acesso ao vestiário do Palmeiras

Briga Peñarol x Palmeiras
Reprodução/Fox Sports

Após a briga generalizada no estádio Campeón del Siglo entre jogadores do Peñarol e do Palmeiras, a Conmebol divulgou o documento oficial da partida. Nele, estão os relatos do árbitro Enrique Cáceres, e do delegado do confronto, Mario Campos, esse último que informa: “o fechamento do portão de acesso ao vestiário foi ordenado pelo oficial de segurança da partida”, ou seja, alguém mandado pela própria entidade que rege o futebol no continente.

LEIA TAMBÉM:
EXCLUSIVO: “Seguranças jogaram barras de ferro em nós”, relata palmeirense no Uruguai

De acordo com o relato, foram autorizados 12 seguranças do Palmeiras a permanecerem no estádio, porém o grupo acabou cuidando da proteção dos dirigentes do clube no camarote. Eles estava proibidos de entrar no gramado, mas quatro forçaram a entrada para retirarem os jogadores da confusão. Por isso, o portão teria sido fechado a pedido do oficial de segurança.

Veja o trecho do documento em que se fala sobre o assunto:

Pela confusão, a Conmebol suspendeu o volante Felipe Melo e três jogadores do Peñarol – o meia Mier, que levou um soco do palmeirense, o lateral Hernández e Nahitán Nandez, capitão dos uruguaios. Vale lembrar que a medida é provisória.

Por causa da briga também nas arquibancadas, em que os torcedores uruguaios tentaram agredir os palmeirenses no setor visitante, o Peñarol provavelmente levará um gancho e deverá ter seu estádio interditado para jogos pela Libertadores. Até o Palmeiras corre riscos de jogar sem sua torcida no Allianz Parque.

O Palmeiras compilou um vídeo com imagens que mostram que Felipe Melo costuma fazer o mesmo gesto – erguer as mãos, atitude colocada na súmula pelo árbitro como causador da briga em campo – para agradecer na comemoração de gols e vitórias em outras partidas. Portanto, a tese de que Felipe teria provocado os uruguaios não reflete a conduta do atleta.

Confira as imagens editadas pelo departamento de futebol do Palmeiras:



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.