Ceni desmente boato de que Rodrigo Caio tenha sido repreendido após fair play

São Paulo
Crédito da foto: Paulo Pinto/spfcnet.com.br

Uma semana após o ato de fair play de Rodrigo Caio com Jô, do Corinthians, o técnico Rogério Ceni desmentiu os boatos de que a atitude do defensor tenha causado mal estar dentro do clube.

Zero repercussão (no vestiário). Nenhum jogador ficou contra, nenhum jogador comentou nada. Mas assunto de vestiário é tratado no vestiário. Sobre as especulações que são levadas até a mídia, eu respeito, porque vocês estão aqui para extrair o máximo de informações. Mas o Rodrigo Caio está com a consciência tranquila porque fez a coisa certa“, disse o treinador, em entrevista coletiva.

LEIA MAIS
RODRIGO CAIO NÃO SE ARREPENDE DE FAIR PLAY EM CLÁSSICO: “FIZ A COISA CERTA”
ENQUETE: QUAL O MAIOR CLÁSSICO INTER-ESTADUAL DO BRASIL?
5 LIÇÕES QUE O SÃO PAULO TIROU DO JOGO CONTRA O CRUZEIRO

O lance discutido aconteceu no primeiro tempo do jogo de ida, no Morumbi. Rodrigo Caio avisou ao juiz que tinha sido ele a pisar em Renan Ribeiro, e não Jô. A atitude fez com que o árbitro cancelasse o cartão amarelo dado ao atacante do Timão. O fato permitiu que o atleta jogasse contra o Tricolor e marcasse no empate por 1 a 1.

Como é que o jogador que fez o gol ia saber se estava impedido ou não? E você não pode voltar do intervalo e dizer que viu na TV e estava impedido. Isso não é falta de fair play, isso foi um erro de arbitragem que está sujeito a acontecer. O que é do jogo é do jogo, bolas divididas, jogo pegado, campo rápido, mas hoje não vi falta de fair play do Corinthians em nenhum momento“, enfatizou Rogério Ceni.

Na minha concepção, o Jô dá um tranco no Rodrigo Caio, e o Rodrigo só pisa no Renan por causa do tranco. O árbitro achou passível de amarelo, o Rodrigo discordou do árbitro. Não acho que mude o caráter dele aquele lance. Com o cartão ou sem, ele continua sendo o mesmo jogador para mim. Assim como no dia seguinte tivemos o Maicon dando entrevista, com um contexto bastante razoável, e com a última frase dizendo que antes chorasse a mãe do outro do que a dele. Estamos falando de um cartão amarelo, não tentem tratar isso como uma situação criminal, como um assassinato. Por gentileza, que a declaração dele seja tratada no âmbito que aconteceu. Trataram o depoimento do Maicon como crime hediondo, mas estamos falando de um cartão amarelo“, comentou.

Com a eliminação no Campeonato Paulista, o São Paulo terá 21 dias de folga para reavaliar o primeiro semestre até a próxima partida. Ceni deve iniciar a montagem de lista de dispensa e reforços para a disputa do Campeonato Brasileiro. O Tricolor volta a campo no dia 11 de maio, em casa, contra o argentino Defensa y Justicia, pela Copa Sul-americana.



Jornalista com passagens pelo Portal R7, Jornal do Trem, Impacto Comunicação, Dialoog Comunicação e Comunicale.