Opinião: Eduardo Baptista precisa entender a grandeza do Palmeiras

Eduardo Baptista
Credito: Levi Bianco/Getty Images

Após o empate do Palmeiras na estreia da Libertadores contra o Tucumán, na Argentina, muito se falou sobre Eduardo Baptista e seu modo de trabalhar.

Bom, eu acredito que ele conseguiu um resultado normal jogando fora de casa, mesmo com um atleta a menos, pois, ficou evidente a diferença de qualidade dos clubes.

O primeiro passo para Baptista ter a chance de dar certo no Verdão é entender a grandeza do Palmeiras. Isso mesmo, é completamente diferente ser técnico do maior campeão nacional do que comandar o Sport, ou a Ponte Preta, com todo respeito aos clubes, mas, em camisa e história não dá pra comparar.

O investimento realizado é fora do comum para os padrões brasileiros, sendo que um deles, veio por um valor considerado absurdo (Borja), além das outras contratações, como Guerra, Michel Bastos, Felipe Melo, e mais no início, Dudu.

É um time extremamente qualificado, mas que perdeu sua identidade de campeão brasileiros, e até o momento, não recuperou o futebol apresentado.

A partida de quarta foi uma excelente oportunidade para o próprio treinador ter tranquilidade para trabalhar, e ganhar pontos com os torcedores, mas, mesmo não sendo pressionado em momento algum, acabou se precipitando em uma substituição após a expulsão de Vitor Hugo, e acabou sofrendo um gol logo em seguida.

Mesmo assim o Verdão seguiu melhor, empatou e criou algumas oportunidades, mas pouco, pelo que poderia apresentar, dada a diferença técnica. Mas, nenhuma alteração fora do normal foi efetuada, optando por um esquema mais cauteloso.

O torcedor palmeirense sabe que foi investido muito e vai cobrar o jovem treinador, que precisa aguentar a pressão e agir com personalidade e arrojo para sair dessa situação. Caso contrário será questão de tempo sua saída do clube.

Mattos ajudou, o Palmeiras tem um elenco com opções para que Baptista faça algo diferente, mas, o que se viu até o momento foi um treinador que segue agindo como se fosse técnico de algum dos times medianos do Brasil.

Como dito, ele precisa urgentemente entender a grande do clube que está comandando.