OPINIÃO: A discussão envolvendo Boa, Bruno e a sociedade

Bruno
Reprodução/Twitter Boa Esporte

Será que o goleiro Bruno merece uma segunda chance no futebol? Alguém que, segundo as provas mostram, foi tão cruel e frio para planejar o assassinato uma mulher, que era mãe do filho dele? Como será a recepção de Bruno por parte dos torcedores rivais? Bruno ainda pode jogar em alto nível? Na última sexta-feira (10), a história ganhou um novo capítulo com a notícia do acerto entre o jogador e o Boa Esporte.

No meu modo de ver, ponto positivo para Bruno e seus representantes. Mesmo condenado a 22 anos em primeira instância e a repercussão negativa perante a opinião pública, ainda sim conseguiu vaga em um time que vai disputar a segunda divisão nacional. Ou seja, o jogador estará extremamente em evidência!

LEIA MAIS:
LIBERTADORES: 5 CLUBES QUE FORAM GRATAS SURPRESAS 

Já pelo lado do Boa Esporte, não posso dizer a mesma coisa. Com certeza eles deram um “tiro no escuro” ao contratarem Bruno. Trazem um atleta fora de ritmo e com péssima imagem vinculada a ele. Se a contratação foi uma ação de marketing, com certeza conseguiram, o problema é que ela teve repercussão bastante negativa. Os mineiros passaram a ser criticados por torcedores, fora que há patrocinadores também. Será que eles verão como algo positivo vincularem a marca a alguém acusado de assassinato?

É preciso aguardar o desfecho dessa história. Não tenho dúvidas que Bruno receberá muitos xingamentos nos estádios e não acredito que ele mereça voltar ao futebol depois de tudo que o acusam. Para mim, o goleiro deveria pagar pelos seus atos e cumprir a pena que lhe haviam imposto. A declaração dada ao sair da prisão, de que a “prisão perpétua não traria a vítima de volta” soou arrogante, de quem não está preparado para “começar de novo”.