Opinião: Barcelona vs PSG, para o bem do futebol?

Crédito: Reprodução

psg

Quem gosta de futebol, provavelmente fez um esforço para ver a partida entre Barcelona e PSG, pela Champions League. Valeu a pena, eis que, por um lado, a partida foi emocionante, ainda mais para torcedores e simpatizantes de algum dos times. 7 gols em um pouco mais que 90 minutos não é toda hora que se vê. E não é só, além dos gols, a partida foi emocionante. O PSG, time que tenho GRANDE simpatia, foi medíocre. Entrou em campo para jogar como um time pequeno, e como tal, saiu de campo com uma vexatória derrota.

 

Leia mais.

Focado na Libertadores, Flamengo deve escalar reservas na Taça Rio

Mas, por outro lado, tivemos uma arbitragem vergonhosa, sem a qual, o time Catalão JAMAIS teria logrado êxito. Nem que Messi tivesse feito  a melhor partida da história, ou se Neymar fosse – de fato – o craque acima de Pelé, o time Catalão passaria.

Após o jogo, resignado duplamente – pela ladroagem em campo e por ver um dos times pelos quais “torço” sucumbir – ouvi de alguns amigos (que entendem muito da pelota) que o resultado foi “para o bem do futebol”.

Pois, é. Há pessoas concordando com erros de arbitragem.

Ouvi, achei um argumento curioso e me postei à refletir.

Nessa reflexão cheguei à conclusão EXATAMENTE oposto, daquelas que vão indubitavelmente em sentido diametralmente oposto: Não, não foi para o bem do futebol. O esporte justo, honesto, combativo, belo e emocionante não pode ser, JAMAIS, definido por erros de arbitragem.

Veja-se, não estou aqui a defender que todo e qualquer erro de arbitragem seja banido do futebol, eis que o trio de arbitragem é formado por HUMANOS, como tal, é óbvio que irão errar.

Mas, como diz o ditado “errar é humano, repetir o erro é burrice”, tenho tranquilidade para dizer-lhes que os erros pontuais, mesmo se decisivos, fazem parte do futebol. E, ademais, não posso mentir,  vencer por um errinho, daqueles polêmicos, que você precisa ver o lance trezentas mil, quatrocentos e trinta e oito vezes em dez mil, quinhentos e quarenta e um ângulos diferentes, é algo ímpar. Dá uma satisfação, daquelas que coloca para dormir o anjo que há no seu ombro direito, para despertar o diabo que há no esquerdo, para provocar os rivais.

Faz parte.

Mas, historicamente, um resultado como o de ontem, mancha (ou deveria) o próprio esporte. É vergonhoso.

Quem não se lembra daquele título que o Corinthians ganhou sobre o Brasiliense, ou daquele título sobre o Internacional? Recentemente, o São Paulo venceu partida contra o Santo André, sendo o time do interior OPERADO pela arbitragem.

Assim por diante.

Então, quando esse tipo de série de erros, em uma mesma partida, acontece, acaba por atingir o que há de principal no futebol: a busca pela vitória com um bom futebol.

Cansamos de exigir a profissionalização da arbitragem, algo que – segundo meu humilde ponto de vista – já está positivado em nosso Ordenamento. Uma das justificativas é exatamente a diminuição dessas séries de erros.

Como disse, um ou outro erro é salutar para o esporte, mas a OPERAGEM concretizada por uma série de erros, quase sempre a favor de um único time em campo, é algo que machuca o coração dos amantes do futebol.

Embora você possa não acreditar, um dia irá. Posso garantir.

Aurelio Mendes – @amon78