Infantino vê lei de Trump como fator para afastar Copa-2026 nos EUA

Reprodução/Facebook Oficial da FIFA

O decreto promulgado pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que impede a entrada no país de pessoas vindas de uma lista de seis países de maioria muçulmana, virou pauta para comentário do presidente da Fifa, Gianni Infantino, durante um evento da entidade realizado em Londres (ING).

Infantino afirmou que se a lei não for revogada, as chances dos EUA conseguirem ser escolhidos para sediarem a Copa do Mundo de 2026, na qual são considerados favoritos para o posto, podem ser prejudicadas .

LEIA MAIS

DAVID BRAZ ENTREGA “BOLÃO” DE ATLETAS DO SANTOS PARA BARÇA X PSG; UM QUASE CRAVOU

MAYWEATHER: ‘MCGREGOR É O SEGUNDO MAIOR NOME DO UFC. O PRIMEIRO SOU EU’

NFL: CONFIRA O QUE VAI ROLAR DURANTE O MÊS DE MARÇO NA OFFSEASON

“No que diz respeito às competições da Fifa, qualquer equipe, e isso inclui os torcedores e os dirigentes destas equipes, devem ter acesso ao país. De outro jeito, não há Copa do Mundo, e isto é óbvio”, declarou o presidente da Fifa segundo o Uol Esporte.

O presidente da máxima entidade do futebol disse reconhecer possíveis motivações pelos decretos recentes de Trump, que procuraria impedir a entrada de pessoas vinculadas a atividades terroristas nos Estados Unidos, mas deixou claro que a Fifa não deixará de lado seus critérios na hora de escolher a sede para qualquer Copa.

“O Sr. Trump é o presidente dos Estados Unidos da América e tenho grande respeito pelo que ele faz. Ele está no cargo para tomar as decisões que julga melhores para seu país, e por isso ele foi eleito”, disse Infantino.

“Estamos no processo de definir os requisitos para as candidaturas e eles serão claros. Então, qualquer país pode decidir ou não se candidatar baseados nesse critérios”, apontou o dirigente.

 

(Crédito da foto: Reprodução/Facebook Oficial da FIFA)