Caso Valdivia: “Mago” tenta bloquear R$ 200 mil do Palmeiras na Justiça

valdívia
Foto: Cesar Greco / Ag. Palmeiras

Mais de um ano e meio depois de deixar o Palmeiras, Valdivia ainda gera repercussão no clube. Reportagem do site da ESPN informa, nesta sexta-feira, que o meia chileno, hoje no Al Wahda, dos Emirados Árabes, está solicitando na Justiça uma penhora online de quase R$ 200 mil referente a uma dívida datada de 2012.

LEIA TAMBÉM:
Rogério Ceni e Cícero elogiam Palmeiras mesmo reserva: “Se bobear, é melhor que o titular”
Borja “briga” com motorista de carrinho-maca em jogo do Palmeiras; assista
Comentarista dá sermão a Vitor Hugo e a todos os brasileiros na Libertadores; assista
Desculpa? Vitor Hugo vai às redes sociais para se defender de expulsão; veja mensagem

Valdivia entrou na Justiça contra o Palmeiras em fevereiro cobrando luvas de pouco mais de R$ 80 mil e mais os juros (já que a dívida é de cinco anos atrás). Os advogados do “Mago” acreditam que o Verdão deveria ter pago R$ 1.840 milhão para a Valdivia Sports, empresa do atleta, em 10 parcelas mensais de R$ 184 mil, entre 2010 e 2011.

As duas primeiras parcelas foram quitadas (embora uma delas não tenha caído nas contas de Valdivia) e as restantes divididas em 18 vezes de R$ 81.777 cada.

Na semana passada, a defesa de Valdivia pagaram taxa de R$ 12,20 e querem o bloqueio de R$ 189.905,62 do clube – com base em planilha de cálculos no faturamento do Palmeiras – caixa de R$ 24 milhões, além de superávit de R$ 90 milhões como já informados por reportagem anterior do Torcedores.com.

Valdivia até negou um imóvel penhorado oferecido pelo Palmeiras para quitar a pendência. Como é de praxe, o Palmeiras negou comentar sobre o assunto.

Em julho do ano passado, o Palmeiras avisou à Justiça de São Paulo que não cogitava perder qualquer valor por causa da saída de Valdivia. O ex-camisa 10 saiu brigado com a antiga diretoria em meados de 2015, porque não desejava se enquadrar na política de produtividade adotada pela gestão de Paulo Nobre.



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.