Lucas Pratto rejeita rótulo de ídolo e diz que quer títulos no São Paulo

São Paulo x Mirassol
Crédito da foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net

Maior contratação do São Paulo nos últimos anos, Lucas Pratto marcou três gols nos dois primeiros jogos e já se tornou xodó da torcida são-paulina. Em coletiva na última quarta-feira (22), o jogador se diz feliz, mas pede calma com as questões sobre ser novo ídolo do clube.

Para ser ídolo falta um título, falta muito. Ídolo é Rogério Ceni, é Lugano… Quero brigar por títulos. Depois de um tempo, com coisas importantes, ai a torcida e o clube vão considerar ídolo. Espero fazer as coisas bem como fez Calleri ano passado e continuar por esse caminho, que fez gols e deixou sua marca no clube. É só o começo. É trabalhar para conseguir me adaptar 100% ao time. Tentar sair campeão e depois vemos como torcida e clube se sentem comigo“, disse o argentino.

LEIA MAIS
VÍDEO: NEILTON DÚVIDA, DENIS COLOCA A BOLA NO ÂNGULO E GANHA APOSTA
CBF DEFINE TABELA DO BRASILEIRÃO; VEJA QUEM SÃO OS PRIMEIROS ADVERSÁRIOS DO SÃO PAULO
TOCA QUE É GOL! SÃO-PAULINOS ADAPTAM MÚSICA DE CALLERI PARA LUCAS PRATTO

Pratto, inclusive, se mostra surpreso com o grande desempenho no início da passagem pelo clube. “Sempre fazer gol é importante, esperava começar assim. Graças a Deus está dando certo. Não sei se o começo é melhor do que eu esperava, porque todo jogador quer que seja dessa maneira“, disse o centroavante, que fez questão de elogiar os companheiros.

Fazer gols rápido sempre facilita as coisas. Mas os companheiros facilitam tudo. O grupo é muito bom, que já me conhecia. Isso facilita tudo. Quando cheguei, o time estava ganhando, isso também é muito bom. A motivação, a vontade de seguir pelo mesmo caminho. É sempre mais fácil“, completou o atacante.

O São Paulo vive uma das melhores fases no setor ofensivo dos últimos anos, mas contraxta com erros defensivos que estão lhe dando o posto de segunda pior defesa do Paulistão com 11 gols sofridos em cinco jogos. Pratto pede atenção de todos para ajudar o time a defender.

Não é parte defensiva ou ofensiva, o time é completo. Não é futebol americano, que tem um time para atacar e outro para defender. Eu falei depois do jogo com o São Bento, que tomamos contra-ataques porque não conseguimos pressionar lá na frente. Isso é culpa nossa, do ataque, não da defesa. Temos de buscar equilíbrio. Mas vamos procurar melhorar, são só seis jogos, o Rogério está arrumando o time. Temos de pensar em todos juntos“, finalizou o argentino.



Jornalista com passagens pelo Portal R7, Jornal do Trem, Impacto Comunicação, Dialoog Comunicação e Comunicale.