Veja quanto o São Paulo pode receber se Oscar for negociado pelo Chelsea

Foto: Getty Images

Pouco aproveitado pelo italiano Antonio Conte no Chelsea, o brasileiro Oscar é um dos nomes mais cotados para deixar o Chelsea na próxima janela de transferências. De acordo com o Daily Mail, o meia deve se juntar aos compatriotas Hulk e Elkeson no Shangai SIPG, da China, já em janeiro, quando se abre a próxima janela de transferências na Europa.

Segundo o UOL Esporte, o jogador de 25 anos assinará um contrato de quatro temporadas com a equipe chinesa, que pagaria 60 milhões de euros (cerca de R$ 212 milhões) aos Blues na transação. O acordo deve se concretizar ainda nesta semana.

LEIA MAIS:
KAKÁ NÃO DESCARTA RETORNAR E ENCERRAR A CARREIRA NO SÃO PAULO
SÃO PAULO EM NÚMEROS: O ANO DE 2016 NA PONTA DO LÁPIS
COMENTARISTA DO SPORTV ACREDITA QUE RETORNO DE CENI NO SÃO PAULO É PREMATURO

E quem pode se dar bem com a negociação é o São Paulo, um dos clubes formadores do jogador. Segundo a Rede do Futebol e com base no Mecanismo de Solidariedade da FIFA, se a negociação for concretizada pelo valor acima, o Tricolor receberá aproximadamente R$ 6 milhões.

O Shangai SIPG é, atualmente, treinado por André Villas Boas, que chegou a comandar o Chelsea em 2011/2012. Oscar, por sua vez, chegou à Inglaterra na temporada seguinte. Apesar de, rapidamente, ter se tornado titular, o brasileiro tem perdido espaço no clube azul londrino.

Sua queda de aproveitamento vem desde a temporada passada, mas foi acentuada com a chegada do técnico Antonio Conte. Desde que o italiano passou a treinar o time inglês, o meia ex-Internacional tem jogado cada vez menos minutos. Como titular, não inicia uma partida desde setembro.

Há quatro anos e meio no Chelsea, Oscar tem mais de 200 jogos feitos, 38 gols marcados e três títulos conquistados: uma Premier League (2014/2015), uma Copa da Liga Inglesa (2014/2015) e uma Liga Europa (2012/2013).

Veja o que o regulamento de registro e transferência da CBF fala sobre o Mecanismo de Solidariedade:

Se um atleta profissional transferir-se de forma onerosa em caráter definitivo ou temporário de um clube para outro antes de findo seu contrato de trabalho desportivo, os clubes que deram suporte à sua formação e educação receberão uma parte da indenização a título de contribuição de solidariedade distribuída, proporcionalmente, ao número de anos em que o atleta esteve inscrito em cada um deles ao longo das temporadas.

Parágrafo Único – O mecanismo de solidariedade nas transferências nacionais será de 5% (cinco por cento) do valor pago pelo novo clube do atleta, sendo obrigatoriamente distribuídos entre os clubes que contribuíram para a formação do atleta, na proporção de:

I) 1% (um por cento) para cada ano de formação do atleta, dos 14 (quatorze) aos 17 (dezessete) anos de idade, inclusive;

II) 0,5% (meio por cento) para cada ano de formação, dos 18 (dezoito) aos 19 (dezenove) anos de idade, inclusive.

Art. 60 – O valor do mecanismo de solidariedade será pago pelo novo clube do atleta sem necessidade de solicitação por parte dos clubes formadores do atleta dentro dos trinta (30) dias seguintes à sua inscrição pelo novo clube.

§1º – Compete ao novo clube do atleta calcular o valor da contribuição de solidariedade e distribuí-lo pelo número de anos ou proporcionalmente, de acordo com o histórico do atleta constante de seu Passaporte Desportivo, devendo o atleta colaborar com sua nova entidade empregadora para que esta cumpra integralmente sua obrigação com o clube ou clubes que o formaram.

§2º – O clube formador que não receber o pagamento ao qual faz jus poderá postular o valor devido pelo clube inadimplente junto à Câmara Nacional de Resolução de Disputas.

Art. 61 – Na hipótese de pagamento de mecanismo de solidariedade envolvendo clubes brasileiros numa transferência internacional, a CNRD poderá obrigar o pagamento do valor devido aos clubes que comprovarem a sua condição de credores e os valores aos quais fazem jus.