Para ex-diretor, Corinthians teria se classificado à Libertadores se tivesse mantido Fábio Carille

edu ferreira
Foto: Daniel Augusto Junior/Agência Corinthians

Ex-diretor adjunto de futebol do Corinthians até a primeira quinzena de outubro, Eduardo Ferreira opinou em entrevista ao Globoesporte.com que o clube alvinegro teria se classificado à Copa Libertadores 2017 se tivesse mantido o interino Fábio Carille até o final da temporada, como inicialmente estava previsto.

“Não dá para ter 100% de certeza, mas para mim é muito claro que se tivéssemos mantido o Fábio Carille (auxiliar técnico permanente) e toda estrutura daquele momento estaríamos classificados”, disse Edu, que entregou o cargo após ter se sentindo desprestigiado por não ter sido consultado pelo presidente Roberto de Andrade sobre a contratação de Oswaldo de Oliveira. Ele esclareceu a sua saída.

VEJA MAIS:
Corinthians: Aproveitamento de Oswaldo de Oliveira ficou abaixo de Cristóvão Borges 
Ex-diretor do Corinthians revela ter sido traído por Alessandro: “Maior decepção” 
Por que os reforços do Corinthians em 2016 decepcionaram? Edu Ferreira explica

“Não é que eu não queria o Oswaldo. O nome dele não chegou a ser comentado comigo. No começo de outubro, ficou definido que iríamos com o grupo atual até o fim do ano. Fizemos uma reunião com o Fábio Carille sobre isso. Não fui consultado que chegaria o Oswaldo ou outro treinador. Fiquei muito chateado e magoado. Foi a gota d´água. Mas já passou, conversei com o Roberto”, explicou.

Na mesma entrevista, Edu disse que foi traído pelo gerente de futebol Alessandro Nunes, que a princípio teria lhe informado que não sabia da negociação para trazer Oswaldo de Oliveira.

“(Alessandro) É minha maior decepção. Se você pegar entrevistas minhas, parecia que o Alessandro não sabia. Eu desabafei com ele antes de viajar e em Cuiabá. Depois fiquei sabendo de que ele sabia de tudo o que estava acontecendo. Ele participou da contratação. Para mim, foi uma traição. Uma grande decepção. Falei por cima com ele, mas uma pessoa desse tipo não quero nem perto de mim mais”, desabafou.

Oswaldo teve aproveitamento inferior ao antecessor Cristóvão Borges. Foram 10 jogos, com três vitórias, três empates e quatro derrotas (40% de aproveitamento) contra 52% do ex-treinador.

 



Rafael Alaby é jornalista diplomado pela FIAM (Faculdades Integradas Alcântara Machado), com passagens pela Chefia de Reportagem de Esportes, da TV Bandeirantes, em São Paulo e site KiGOL. Pós-graduado em Jornalismo Esportivo e Negócios do Esporte (FMU)