Palmeiras tem carta na manga para ajudar a contratar Gustavo Scarpa

patamar do Fluminense
Crédito de imagem: Nelson Perez/Fluminense

Com o apoio da Crefisa já confirmado, o Palmeiras já tem definido seu principal alvo para a próxima temporada: o meio-campista Gustavo Scarpa, do Fluminense. E para que a negociação obtenha sucesso, o Verdão tem uma carta na manga que pode ajudar e muito.

O diretor de futebol do Palmeiras, Alexandre Mattos, que acaba de renovar seu contrato com o clube pelas próximas duas temporadas é reconhecidamente um grande negociador e tem ótimo relacionamento com empresários de jogadores. E com os empresários de Gustavo Scarpa não é diferente.

LEIA MAIS:

MERCADO DA BOLA: VERDÃO ANUNCIA RENOVAÇÃO COM MAIS DOIS DESTAQUES DA BASE
CUCA REVELA QUAL É A MELHOR E A PIOR COISA DE TRABALHAR NO VERDÃO
MERCADO DA BOLA: GRÊMIO ESTÁ INTERESSADO EM CLEITON XAVIER

Bruno Paiva, Fernando Paiva, Marcelo Goldfarb e Marcelo Robalinho são da OTB Sports, grupo de empresários que agencia Scarpa além de jogadores do Palmeiras como Dudu, Gabriel, Fabrício e Nathan, que estava emprestado para o Criciúma em 2016.

Scarpa estava bem próximo de renovar seu contrato com o Fluminense, mas uma discordância no novo vínculo emperraram a negociação e o próprio jogador disse que não sabe se permanecerá, além de admitir que o Verdão já o procurou.

“Até onde eu sei é real [a procura do Palmeiras], mas não me envolvo muito. Confio muito nos meus empresários (OTB Sports), já estou com eles há dois anos. Procuro não pensar muito nisso. São profissionais e sabem o que fazem. Deixo na mão de Deus e dos meus empresários”, disse o atleta em entrevista ao “Globoesporte.com“, na última semana.

O Palmeiras já avisou que se Scarpa aceitar a proposta do clube, seu salário serpa triplicado em relação ao que recebe hoje.

Discordância com o Flu

Um problema na porcentagem dos direitos econômicos do jogador foi o grande responsável pela reviravolta no acordo entre Scarpa e Fluminense.

“Já estava tudo certo, já era para ter assinado. Mas teve uma porcentagem no contrato que não bateu. E foram esperando. Quando faltavam duas ou três semanas para a eleição, falaram que iam esperar pelo próximo presidente. Isso não tinha sido combinado, mas agi naturalmente. Agora estamos no fim de ano, teve a tragédia da Chapecoense que acabou paralisando tudo (o comentarista Mário Sérgio, pai de um dos empresários de Scarpa, faleceu no acidente). É natural. Vou esperar 2017 para ver o que vai ser resolvido”, disse o jogador.