Opinião: o futebol é uma paixão que faz parte da nossa vida

Getty Images

Você já jogou bola na rua? Eu já, terrivelmente, para o desespero dos vizinhos e de qualquer Ford Scort que estivesse estacionado próximo do local da peleja.

Lembro que a molecada se aglomerava nas ruas para jogar futebol até a hora se perder, a brincadeira mudar, a mãe se esgoelar na porta de casa para o menino ir tomar banho ou até o tampão do dedão ficar nas pedras.

LEIA MAIS:
5 COISAS BIZARRAS QUE JÁ ACONTECERAM EM PROGRAMAS ESPORTIVOS NA TV
FLAMENGO NÃO DESISTE DE VITINHO APÓS PEDIDA DO CSKA, MAS NEGOCIA COM OUTRAS OPÇÕES

Digo isso porque vi hoje um menino, sozinho, chutando uma bola na rua. Os paralelepípedos eram o gramado, os chinelos havaianas a trave e o menino era o jogador, o craque, o juiz, o narrador e a torcida, todos num garoto só. O Futebol, naquele momento, na cabeça daquele garoto era uma fantasia, uma epopeia, um espetáculo, como era também na minha época, na do meu pai e assim por diante.

Vendo aquele menino se divertir tanto jogando bola fica fácil entender o motivo da paixão pelo futebol em tanta gente. Este esporte faz parte da nossa vida tanto quanto o arroz e feijão, ao mesmo tempo fica difícil entender como essa paixão leve e despretensiosa se torna em uma fúria incontrolável que leva uma pessoa a sair na porrada com a outra.

Em sumo, quem encara o futebol como um simples esporte certamente não entende nenhum destes extremos, mas pra quem o faz, que o primeiro seja sempre soberano.

Já para os profissionais, compreender esse cenário é vital, se uma criança pode jogar com paixão e alegria, porque um profissional não? Se um simples jogo transforma a personalidade de um cidadão comum, porque não transformaria um jogador profissional?