Opinião: A centenária Vila tem motivos de sobra para sorrir

Santos x Sao Paulo
Foto: Divulgação/Santos F.C.

O torcedor do Santos começou o ano de 2016 com o peso da desconfiança no time, que perdeu a vaga para a Taça Libertadores nas ultimas rodadas após ”abandonar” o Brasileirão do ano passado e voltar as atenções apenas para o título da Copa do Brasil (esse perdido na final para o Palmeiras). Sem ter como voltar atrás na luta pela Pré Libertadores pelo Brasileiro após duas derrotas seguidas para Coritiba e Vasco, o time da Vila Belmiro apenas cumpriu tabela na última rodada contra o Atlético PR na ressaca do Vice Campeonato e assim, encerrou um 2015 que tinha tudo pra ser perfeito diante da situação em que o time se encontrava no ano, sem a vaga pra Libertadores, o principal objetivo.

Santos fechou 2015 em baixa, apesar da goleada sobre o Furacão por 5x1 na ultima rodada do Brasileiro.
Santos fechou 2015 em baixa, apesar da goleada sobre o Furacão por 5×1 na última rodada do Brasileiro. (Foto: Santos F.C.)

 

Após a saída de Marquinhos Gabriel no final do ano passado e a de Geuvânio no começo desse ano, o Peixe sofreu até encontrar substitutos: Serginho, Pato Rodríguez, Joel, Paulinho, Neto Berola, Maxi Rolón, todos foram testados nas posições, porém faltava qualidade técnica aos atletas. Vitor Bueno deu certo e ganhou a titularidade em pouco tempo. Já Copete, recusou jogar a final da Libertadores pra jogar no Santos, chegou com status de titular e honrou bem a posição. O Peixe ainda trouxe Jean Mota, Rodrigão e Yuri pra compor o elenco que foi campeão estadual com enormes dificuldades diante do Audax Osasco.

Talvez o início do Nacional pro Alvinegro não tenha sido o melhor possível. Analisando friamente as cinco primeiras rodadas, o Peixe só fez quatro pontos, perdeu pro rebaixado Inter (na Vila), Galo e Corinthians, o último jogando sem atacantes, fato confirmado por Dorival Júnior após a partida. Uma vitória contra o Coritiba, na Vila, com um gol no último minuto de Renato e um empate com um gol sofrido no fim do jogo contra o Figueirense eram o presságio de que o ano do Peixe não seria fácil. Gols sofridos no fim que, aliás, foram o grande problema do Santos na temporada. Só pra se ter uma ideia, o Santos deixou de conquistar nove pontos durante todo o campeonato por tomar gols após os 35 minutos da segunda etapa. Mesmo perdendo os principais jogadores para a seleção brasileira, o Peixe reagiu: Encaixou uma sequência de três vitórias seguidas e, antes do fim do primeiro turno, outra sequência de seis jogos sem derrota. A irregularidade voltou no início do segundo turno, venceu apenas uma partida e somou três derrotas para Figueirense (na Vila), Coritiba e novamente Internacional. A vitória sobre o Corinthians por 2×1 de virada, na 24ª Rodada, foi o divisor de águas para o Peixe que, a partir daí, conquistou 22 dos 27 pontos disputados em um desempenho impressionante. O Santos entrou em campo contra o Palmeiras sonhando com uma vitória que o colocaria na luta pelo título novamente, e não fez feio: Venceu com um gol de Copete e reascendeu a esperança da nação santista principalmente com as duas vitórias subsequentes contra Ponte e Vitória. E o final todos sabem.

Copete comemorando o gol da vitória sobre o Palmeiras (Foto: Santos F.C.)
Copete comemorando o gol da vitória sobre o Palmeiras (Foto: Santos F.C.)

 

O Vice Campeonato de 2016 só trás mais ainda à tona a grandeza do Santos Futebol Clube e a competência dos profissionais que lá estão. Sem muitos recursos, o presidente Modesto Roma acertou em cheio nas contratações para a temporada, e Dorival deu uma cara ao time da Vila Belmiro. Apesar de oscilar bastante, o Peixe surpreendeu positivamente a toda sua nação. Com um time bom, Dorival teve muitos problemas para manter o rendimento da equipe com a entrada dos reservas: As convocações frequentes de Lucas Lima para a seleção principal e as de Zeca, Gabriel, Gustavo Henrique e Thiago Maia para a olímpica, além das lesões de Ricardo Oliveira, foram um empecilho para que o bom futebol apresentado em algumas partidas do primeiro turno não se repetisse na sequência. Ainda sim, o time foi eficiente nas partidas e, mesmo jogando mal em várias oportunidades, saiu vencedor. Com uma defesa consistente, Dorival também perdeu Gustavo Henrique e, em seguida, Luis Felipe, lesionados, para a reta final do Nacional, e terminou a temporada improvisando Yuri no setor defensivo. Nos bastidores, o presidente Modesto colocou as contas em dia e o Santos assinou um patrocínio pontual com um instituição financeira para o espaço master da camisa.

Para o torcedor alvinegro, 2017 promete. O Santos já entra na fase de grupos da Libertadores e chega para a temporada com moral. O torcedor santista sabe que precisará fazer a sua parte se quiser ser Tetracampeão Continental, o Peixe nunca na história da Libertadores foi eliminado antes das Quartas de Final e, no que depender da confiança da torcida para o próximo ano, os adversários tem a obrigação de abrir bem os olhos para o time da Baixada Santista.

 



Tenho 19 anos e moro em São Paulo. Gosto do futebol bem jogado e também gosto de automobilismo. Jornalismo é um sonho e Faculdade ainda vou fazer. Valeu!