Entenda porque o Palmeiras não teme perder jogadores para China ou Europa

Palmeiras
Crédito de imagem: Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Todo time que conquista um título tem um grande problema pela frente: o interesse de clubes europeus e chineses nos jogadores que mais se destacaram durante a campanha vitoriosa. Corinthians em 2015 e Cruzeiro em 2014 sabem bem disso. Após conquistarem o Brasileirão, sofreram um grande desmanche e ainda não conseguiram se recuperar. E quem já está preocupada com isso é a torcida do Palmeiras, atual campeão brasileiro.

Nomes como Dudu, Moisés, Róger Guedes, Mina, Vitor Hugo e Tchê Tchê são os mais cotados para receberem propostas e sondagens da China ou Europa. Mas o Palmeiras está tranquilo com isso.

LEIA MAIS:
Mercado da bola: veja quem pode chegar e quem pode sair do Palmeiras para 2017
6 jogadores rebaixados com o Internacional para o Palmeiras ficar de olho para 2017

Segundo André Sica, diretor jurídico, em entrevista para a rádio “Bradesco Esportes FM”, as multas rescisórias dos principais jogadores giram em torno de 30 milhões de euros, cerca de R$ 110,16 milhões, e ele já avisou que o Palmeiras não vai abrir mão do dinheiro. Se for para perder jogadores, será pelo valor da multa.

Nesta temporada, o Corinthians arrecadou R$ 78 milhões com a venda de seis titulares do título brasileiro de 2015: Gil, Ralf, Jadson, Renato Augusto, Vágner Love e Malcom. O valor é quase o mesmo que o Palmeiras vai receber apenas com a venda de Gabriel Jesus.

A expectativa é de que o Palmeiras negocie apenas os jogadores que foram pouco aproveitados e que não devem fazer parte dos planos do novo técnico para 2017.

Nesta segunda-feira, durante a premiação da Bola de Prata, o meia Moisés disse que é normal receber sondagens após uma boa temporada, mas garantiu estar focado em renovar com o Verdão para 2017.  “É normal que haja sondagens e conversas. Não recebi nada oficial. Pretendo renovar com o Palmeiras por um longo período. Vamos conversar nesta semana, mas não recebi nenhuma proposta oficial (para sair)”, falou.