Com queda do Inter, apenas cinco times se mantêm “incaíveis” no Brasileirão

Divulgacao/Internacional.

A tarde deste domingo (11) foi a pior da história do Sport Club Internacional. A equipe gaúcha jogou contra o Fluminense, pela última rodada do Brasileirão 2016, apenas empatou, e terminou a sua vergonhosa campanha na competição na 17ª colocação, com 43 pontos. O Colorado foi rebaixado para a Série B pela primeira vez.

LEIA MAIS: REBAIXAMENTO INÉDITO: VEJA OS CINCOS PASSOS QUE LEVARAM O INTER À SÉRIE B

Com isso, a lista dos times apelidados “incaíveis” (por nunca terem sido rebaixados no Nacional) diminui. Agora apenas cinco equipes tem o orgulho de dizer: “nunca caí para a Série B!”. São estes: Flamengo, São Paulo, Santos, Cruzeiro, Chapecoense.

Dos estados aos quais pertencem os times acima, apenas o de São Paulo tem dois times que nunca foram rebaixados. A dupla San-São, apesar de terem vivido momentos de apuro em alguns anos (o Tricolor mais recentemente, em 2013 e 2016), se mantêm firmes na elite, e, vez ou outra, brigam por título; o Santos fez sua melhor campanha da era dos pontos corridos, terminando na vice-liderança, com 71 pontos ganhos.

No Rio de Janeiro, o Flamengo ostenta sozinho este título de “nunca rebaixado”; neste ano, o Rubro-negro terminou na 3ª posição, com os mesmos 71 pontos do Peixe. O Cruzeiro é o único mineiro que pode tirar sarro dos rivais do estado.

A Chapecoense, apesar de ter disputado a Série B, em 2013, nunca foi rebaixada. A jovem e guerreira equipe de Chapecó, criada em 1973, teve uma ascensão meteórica desde o ano de 2009, quando subiu da última divisão rumo a Série C do Brasileirão. Nos anos seguintes, as campanhas evoluíram, até que em 2014 veio a glória de subir à elite do futebol nacional. Daí em diante, foram só motivos para se alegrar, pois o time, aos poucos, foi melhorando, e nesta temporada conseguiu chegar a inédita final da Copa Sul-Americana, além de terminar o Brasileiro na 11ª colocação – a melhor desde que subiu.

Crédito da foto: Divulgação/ Site oficial do Internacional (Ricardo Duarte).