Zé Ricardo admite que Éverton reclamou de substituição; veja entrevista

Gilvan de Souza/Flamengo

De forma melancólica, o técnico Zé Ricardo analisou o empate do Flamengo com o Coritiba, no último domingo, que acabou com qualquer chance de título brasileiro. O treinador rubro-negro foi vaiado no Maracanã principalmente após as substituições que fez no decorrer da partida. O som da reprovação da massa rubro-negra aumentou com a troca de Éverton, que fazia bom jogo, para a entrada de Fernandinho.

LEIA TAMBÉM:
Diego MITOU em falar sobre “cheirinho” de vestir a camisa do Flamengo; assista
Flamengo não teve só frustrações ao término da 36a rodada; entenda
Mauro Cezar também comenta “cheirinho” após empate do Flamengo; confira

Torcida do Flamengo não se conforma com perda de título e culpa Zé Ricardo

Na coletiva pós-jogo, Zé Ricardo confirmou que o atacante ficou irritado com a troca. O treinador também explicou, ou tentou explicar os erros que complicaram a vida do time em uma partida praticamente ganha (Fla tinha vantagem de 2 a 0). Agora é tentar recuperar o psicológico para ficar com o vice-campeonato, o que é importante financeiramente e também uma forma forma de retribuição à torcida, que lotou até aeroporto com a esperança do “cheirinho do hepta”.

Veja os principais trechos da entrevista de Zé Ricardo:

Análise do jogo
Estamos frustrados, lógico, mas temos ainda um objetivo secundário que é a busca pelo vice-campeonato. Vamos tentar nos recuperar dessa frustração de hoje para estar preparado para o jogo da semana que vem. Tentamos colocar o Mancuello na linha por dentro, mas a gente não conseguiu manter a bola no setor de ataque e o Coritiba partiu para cima, ganhou o campo. Só a partir dos 30 minutos, 35 minutos criamos jogadas e conseguimos jogar no contra-ataque. Fomos penalizados no fim. Futebol não permite perdermos três ou quatro oportunidades de fechar a partida e sofremos o gol de empate. Lamento muito pela torcida, por todos, mas dói tanto na gente quanto dói neles. Talvez até mais nos jogadores. Queríamos dar esse presente ao torcedor rubro-negro.

Culpados
Fica a frustração pelo bom primeiro tempo, que não fazíamos há muito tempo. Um pouquinho antes do gol do Coritiba tivemos chance de fazer o terceiro.  A gente lamenta (gritos de “time sem vergonha”), mas a torcida está no seu direito. Não tem que buscar culpado, não tem Márcio Araújo, A, B ou C… Somos responsáveis por vitórias, derrotas e nos empates. A torcida frustrou-se como nós, mas nenhum deles está chateado como estamos. A gente brigou para caramba e tenho certeza que todos eles honraram muito a camisa.

Substituições
No intervalo, perdemos o Gabriel por incômodo na coxa. Como o Coritiba jogava com duas linhas, a entrada do Mancuello era para criar um losango, com ele fazendo a sobra dos dois atacantes e ganhar mais uma linha de passe. Mas a substituição não surtiu efeito, tivemos que nos reorganizar em campo e levá-lo para o lado oposto.

Everton - Gilvan de Souza/Flamengo
Everton – Gilvan de Souza/Flamengo

Éverton reclamou?
É normal jogador que está se sentindo bem não querer sair. Mas foi super tranquila (a situação). Foi opção minha tirá-lo, o Fernandinho entrou fazendo o que pedi, dando bastante velocidade em cima do Anderson, zagueiro que estava deslocado pela direita. Esperávamos criar oportunidades e o Fernandinho teve duas oportunidades, uma chutou em cima do Wilson e não conseguimos finalizar. Às vezes o que a gente planeja dá certo, mas de uma forma geral fomos penalizados por não fazer as três ou quatro oportunidades que tivemos.

Pressão do Maracanã
Esse é o futebol, não posso explicar de outra maneira. Criamos várias oportunidades, como diz um velho ditado do professor Muricy, a bola pune e puniu a gente. É continuar, infelizmente não temos mais condições de título. Aquela expectativa que tinha de voltar ao Maracanã e ser impulsionado pelas vitórias infelizmente não aconteceu. Serve de ensinamento. Vamos ter que buscar forças para sair desse luto e buscar fazer o máximo para terminar bem o campeonato.



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.