Vitória contra o Santos fará Flamengo jogar menos na Libertadores; entenda

Gilvan de Souza/Flamengo

Se ficou sem o título, o Flamengo pode assegurar, via Campeonato Brasileiro, vaga diretamente na fase de grupos da Libertadores de 2017. Os três primeiros colocados do torneio nacional e mais o campeão da Copa do Brasil não precisarão disputar a fase mata-mata da competição sul-americana, que vai durar até novembro em 2017. De acordo com o site Infobola, do matemático Tristão Garcia, o Rubro-Negro carioca tem 98% de chances de ficar no G-3.

LEIA TAMBÉM:
Zé Ricardo admite que Éverton ficou irritado com substituição; veja entrevista
Diego MITOU em falar sobre “cheirinho” de vestir a camisa do Flamengo; assista
Mauro Cezar também comenta “cheirinho” após empate do Flamengo; confira

Torcida do Flamengo não se conforma com perda de título e culpa Zé Ricardo

Hoje o Flamengo tem 67 pontos na classificação geral, um atrás do segundo colocado, Santos, e sete atrás do líder Palmeiras. A diferença para o Atlético-MG, quarto colocado, é de cinco pontos. O que significa? Para terminar no G-3, basta ao time de Zé Ricardo vencer um dos dois últimos jogos – contra o Peixe, no Maracanã, ou diante do Atlético-PR, na Arena da Baixada.

Vale lembrar que o Galo está na final da Copa do Brasil diante do Grêmio e já está usando o time reserva nas últimas rodadas do Brasileirão. No último domingo, a equipe B do Galo empatou por 3 a 3 com o rebaixado Santa Cruz, no Arruda. Os últimos jogos dos mineiros são: contra o São Paulo, no Independência, e diante da Chapecoense, na Arena Condá.

Agora a missão do técnico Zé Ricardo, ou melhor a obrigação, será acabar a competição com o honroso segundo lugar. Tudo em retribuição ao apoio da torcida e também para os bolsos do Flamengo. O vice do Brasileirão fatura um total de R$ 10,7 milhões.

A diferença de premiação do segundo para o terceiro colocado no Brasileiro é considerável – a TV Globo, que é a responsável pelo bônus aos ganhadores, dá R$ 7,3 milhões ao terceiro melhor do campeonato, ou seja, uma diferença de R$ 3,4 milhões



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.