CRÔNICA: Valeu, Chape!

O futebol é assim: nos proporciona diversas alegrias, mas as vezes nos derruba em questão de segundos. Ora estamos no auge, ora não estamos no fundo do poço, ora não estamos mais aqui. São as (muitas) incertezas do mundo da bola, que às vezes é tão cruel, frio e injusto.

LEIA MAIS:
Emocionado, técnico do Atlético Nacional se solidariza com os brasileiros: “Dor muito forte”

Após tragédia, SPORTV presta solidariedade ao Fox Sports: “Estamos juntos”
NFL se solidariza com a Chapecoense, e jogador Cairo Santos também presta

“Morremos todos”. Treze letras e duas palavras colocadas com precisão por Flávio Gomes, da Fox Sports. Hoje, todos nós morremos um pouco. Sem cor, raça, sexo ou time, sem exceção. Todos ficamos com o coração na boca em função de com tal acontecimento, esperando ser um brincadeira de mal gosto.

Mais uma certeza todos nós carregamos: há tempos não víamos um clube alegrar tanto o nosso futebol. Pensando bem, sempre nos emocionamos com histórias de Davis contra Golias, do pequeno contra os grandes. E mesmo sem status de time grande, a Chapecoense mostrou ser mais que todo o Brasil.

A grandeza é explicita. Não é qualquer história que é capaz de parar o mundo de futebol. Não é qualquer história que faz-se pronunciar ícones como Zidane, Pelé, Messi, Cristiano Ronaldo e companhia ilimitada. Não é qualquer história que une os rivais brasileiros. Mas por que?

Simples. A Chape é como os brasileiros. Lutamos, batalhamos e buscamos vencer no nosso dia a dia, mesmo sabendo que existem pessoas maiores que nós. Nem sempre o vento está a nosso favor, nem sempre temos certezas sobre o amanhã. E mesmo com todas as dificuldades, continuamos firmes.

Então, já que sua alegria era nossa alegria, agora a sua tristeza também é a nossa. Sentimos muito por isso. Vocês não conseguiram ganharam só a América, mas conquistaram o coração de todos nós. E, depois de tantos feitos, agora vão conquistar o céu. Vocês saem da vida para entrar na história do esporte.

Portanto, descansem, meu amigos. Muitos foram os esforços feitos por vocês para vencer nesse mundo medíocre, frio e hipócrita que é o futebol. Seja para ter um salário, para defender um clube profissional, para chegar aonde chegaram ou levar o nome da Chapecoense. Vocês são grandes!

Por isso, mesmo que estes atletas ou seus parentes não saibam de nossa existência, devemos agradecer. Obrigado, Chape! Obrigado por alegrar o futebol que a cada dia fica mais chato e idealista. E obrigado por nos lembrar que, mesmo com todas as dificuldades, podemos ser felizes.

 



Apaixonado por esportes, Gabriel Lanza cursa Jornalismo na Unoeste (Universidade do Oeste Paulista). Aos 21 anos, soma passagens por veículos como 98 FM, Web Rádio Facopp, Portal Facopp, Coordenadoria Municipal da Juventude e PCI Concursos. Após o termino de sua Graduação, no fim de 2017, o prudentino dará início a sua Pós-Graduação.