Rogério Ceni entra para a lista de ex-goleiros que viraram treinadores

Crédito da foto: Igor Amorim/saopaulofc.net

No futebol é comum dizer que os goleiros têm uma visão privilegiada do jogo e que dão bons comandantes. O ex-goleiro Rogério Ceni foi anunciado oficialmente, nesta quinta-feira, como o novo técnico do São Paulo. O ídolo tricolor, que substituirá o demitido Ricardo Gomes, assinou contrato por duas temporadas. Rogério Ceni segue os passos de outros grandes goleiros que também viraram treinadores.

LEIA MAIS:
DOIS CAMPEÕES JÁ ESTÃO ELIMINADOS NA UEFA CHAMPIONS LEAGUE; CELTIC ESTÁ FORA ATÉ DA UEL

“O grande segredo do futebol é administrar pessoas e se relacionar bem com seus jogadores. São eles que podem fazer diferença. Eu quero que eles vejam futebol da maneira como eu via quando jogava, eu quero um time vencedor, que tenha uma mentalidade vencedora. Eu tenho certeza de que eles vão entender isso, já conheço muitos deles e sei da mentalidade vencedora que eles têm”, disse o ex-camisa 01 ao site oficial do clube.

Entre os goleiros que viraram treinadores há o polêmico Emerson Leão. O paulista de Ribeirão Preto pode não ter jogado com a camisa do São Paulo, mas foi técnico do Tricolor e conquistou o Paulistão de 2005. Leão, aliás, teve duas passagens pelo clube do Morumbi. Já o não menos Roberto Rojas, que se cortou quando defendia o Chile, foi goleiro do São Paulo no final da década de 80 e treinou o clube em 2003.

De olho no exterior, há Michel Preud’homme, considerado o melhor goleiro da Bélgica. Com as luvas, ele chegou a defender o Benfica e no banco de reservas passou por clubes do seu país natal. Entre as lendas do esporte e da profissão há Dino Zoff. Considerado um dos maiores goleiros da Itália, ele foi campeão da Copa do Mundo em 1982. Ele se tornou o mais velho jogador a faturar o Mundial. Na mesma Itália há Walter Zenga que saiu do gol para o cargo de treinador.

Do gol para o banco!
No Brasil, outros goleiros tiveram primeiro a ideia de Rogério Ceni. Sérgio Guedes levou a Ponte Preta ao vice-campeonato paulista em 2008. Claudinei Oliveira, por sua vez, jogou e treinou o Santos. Já Marcelo Martelotte foi campeão estadual como treinador pelo Santa Cruz e pelo Atlético Goianiense. Na época de jogador, ele defendeu Santos, Santa Cruz, Sport, entre outros.

Paulo César Gusmão também se aventurou no gol antes de virar treinador. Há ainda Gilmar Dal Pozzo, amigo de Tite. Ivan Izzo – ex-goleiro do Palmeiras -, Aguinaldo Moreira – ex-goleiro do Corinthians -, Clemer – ídolo do Internacional -, Renê – que esteve no time do Grêmio Barueri em seu auge -, entre tantos outros aposentaram as luvas e buscaram um novo cargo no futebol, neste caso, o de treinador.

Agora, chegou a vez de Rogério Ceni provar que também conhece futebol do banco de reservas. Como goleiro ele virou ídolo da torcida tricolor. Entre setembro de 1990 e dezembro de 2015, Rogério Ceni realizou 1.237 jogos com a camisa do São Paulo e obteve 648 vitórias, 275 empates e 314 derrotas. Sem falar que ele é o goleiro que mais fez gols no futebol 131, sendo 69 de pênalti e 62 de falta. O primeiro desafio da nova profissão será a Florida Cup, nos EUA, entre 6 a 23 de janeiro.