Relembre outros ex-jogadores do São Paulo que voltaram ao clube como técnicos

Instagram Oficial do São Paulo

Está confirmado: Rogério Ceni será o técnico do São Paulo na temporada 2017. O ex-goleiro retorna ao clube praticamente um ano após ter encerrado a carreira no Tricolor Paulista. Mas, muitos outros jogadores fizeram uma jornada semelhante a do “Mito”, e agora, o torcedor são paulino confere aqui no Torcedores.com:

Até o momento, vários ex-jogadores do São Paulo tiveram a oportunidade de voltar ao clube do Morumbi como treinadores. Muitos não tiveram uma carreira muito longa, outros tiveram muito sucesso e varias conquistas, enquanto alguns foram eternos interinos.

LEIA MAIS:
QUERO UM TIME VENCEDOR”, DIZ ROGÉRIO CENI APÓS ASSUMIR O SÃO PAULO
INSPIRAÇÃO DE CENI, OSORIO EXALTA NOVO TÉCNICO DO SÃO PAULO: “VAI TRAZER RESPEITO”

LEÔNIDAS DA SILVA: o eterno Diamante Negro, que foi simplesmente o atacante mais importante do futebol brasileiro na primeira metade do século XX, vestiu a camisa são paulina entre 1942 à 1950. Ao todo, foram 210 jogos e 142 gols pelo São Paulo, e assim que encerrou a carreira, assumiu o comando do Tricolor, mas infelizmente, não teve o mesmo sucesso como treinador.

RENGANESCHI: o zagueiro argentino jogou no São Paulo entre 1944 à 1948, quando se transferiu para o Jabaquara e logo depois, se aposentou. Foi o herói da final do Paulistão de 1946, quando mesmo machucado e apenas fazendo número em campo, fez o único gol da carreira pelo Tricolor, justamente o gol do título. Após ter encerrado a carreira, foi técnico da base do Tricolor Paulista, e treinou a Ferroviária e o Comercial de Ribeirão Preto, antes de assumir o time profissional do Tricolor em 1958. Mas não durou muito, sendo dispensado após uma péssima campanha no Torneio Rio-São Paulo de 1959.

REMO: Um dos maiores jogadores da história do São Paulo, com 345 partidas com a camisa são paulina e 110 gols marcados. Cinco vezes campeão paulista, assumiu o comando do Tricolor Paulista logo após a saída de Renganeschi, mas durou apenas 14 jogos.

JOSÉ POY: O goleiro argentino José Poy foi um dos principais nomes do São Paulo na década de 50. Foi atleta do clube entre 1948 à 1962, e uma das peças principais para a construção do estádio do Morumbi, como garoto propaganda e vendendo cativas da casa são paulina. Após ter encerrado a carreira, foi técnico do Tricolor em diversas oportunidade entre os anos de 1964 à 1982, conquistando o Paulistão de 1975, e o vice da Libertadores em 1974.

ALFREDO RAMOS: Jogou no São Paulo entre 1950 à 1957, quando se transferiu para o Corinthians. Foram 183 partidas com a camisa são paulina, e nenhum gol marcado. Se tornou técnico após encerrar a carreira, e voltou ao Morumbi em 1972, conseguindo bons números: foram 23 vitórias, 15 empates e apenas quatro derrotas. Mas foi demitido após o time ser eliminado nas semifinais da Libertadores, e principalmente, por ter perdido o título do Paulistão para o Palmeiras, mesmo com uma campanha invicta.

JOÃO LEAL NETO: Meia-atacante, Leal jogou pelo São Paulo entre 1963 e 1964, num total de 53 partidas e 4 gols. Foi técnico do clube em 1981, dirigindo a equipe em 17 partidas daquele ano. Foram nove vitória, um empate  e sete derrotas.

JOSÉ CARLOS SERRÃO: o meia esquerda Zé Carlos jogou pelo Tricolor Paulista entre 1971 à 1977, marcando 28 gols em 261 jogos disputados. Ficou marcado pelo pênalti perdido na decisão da Libertadores de 1974, contra o Independiente. Foi técnico interino do São Paulo entre os anos de 1981 à 1987, assumindo o comando técnico do clube em três oportunidades.

PABLO FORLAN: O uruguaio Pablo Forlán chegou ao São Paulo em 1970, e durante cinco anos, fez 243 jogos e oito gols com a camisa são paulina. Ele retornou ao Tricolor em 1984, como treinador dos times de base, e em 1990, assumiu o comando técnico do clube. Porém, durou apenas quatro meses, e quando deixou a equipe, quem assumiu foi ninguém menos que Telê Santana.

MURICY RAMALHO: Com certeza, de todos os jogadores que retornaram ao clube como treinadores, nenhum foi mais vitorioso que Muricy. Como jogador, foram 26 gols em 177 jogos e seis anos com a camisa são paulina. Em 1994, passou a ser auxiliar técnico e comandou o expressinho, na conquista da Copa Conmebol de 1994. Assumiu o comando após a saída de Telê, mas não durou muito tempo na função. Depois de ter dirigido outras equipes, retornou ao Tricolor em 2006, e simplesmente conquistou três títulos brasileiros. Saiu em 2009, e retornou em 2013, livrando o clube do rebaixamento no Brasileirão do mesmo ano.

DARÍO PEREYRA: Durante onze anos, Darío foi zagueiro do São Paulo, realizando ao todo, 451 jogos e 38 gols. Em 1997, assumiu o Tricolor Paulista de forma interina após a saída de Muricy Ramalho em sua primeira passagem pelo clube, mas foi substituído por Nelsinho Batista após o Torneio Rio-São Paulo de 1998.

NELSINHO BAPTISTA: Foi lateral do São Paulo entre 1971 à 1977, com um total de 262 jogos e 6 gols. Treinou diversas equipes do futebol brasileiro, antes de retornar ao Morumbi em 1998. Como técnico do Tricolor, foi campeão paulista em 1998, mas foi trocado no ano seguinte.

MARIO SÉRGIO: Jogou no clube entre 1979 à 1981 (poucas partidas, na verdade). Retornou na condição de técnico do clube após a saída de Nelsinho Baptista em 1998, e ficou no comando técnico durante dez jogos apenas, com três vitória, um empate e seis derrotas. Sua passagem como treinador no Morumbi ficou marcada pelo fato de ter vetado o goleiro Rogério Ceni de cobrar faltas..Hoje, ele é comentarista do canal Fox Sports.

ROBERTO ROJAS: O goleiro chileno ficou famoso por fingir ter sido atingido por um sinalizador em uma partida contra a seleção brasileira no Maracanã, o que resultou em uma punição pela FIFA, que o baniu do futebol. Foi goleiro do São Paulo por dois anos antes da punição, como reserva de Gilmar Rinaldi, que re ao titular. Após ter sido perdoado pela entidade máxima do futebol, teve a chance de dirigir o clube em 2003, e conseguiu levar a equipe a Libertadores novamente, após quase dez anos. Mas no inicio de 2004, foi substituído pelo técnico Cuca.

MILTON CRUZ: O eterno interino do Tricolor, surgiu no clube em 1977, como um substituto do artilheiro Serginho Chulapa. Deixou o clube em 1979, e jogou em diversas equipes, até retornar ao Morumbi como parte da comissão técnica em 1994. Desde então, substituiu interinamente diversos treinadores, e foi demitido do clube em março deste ano, após 22 anos no clube.

DORIVA: Volante que atuou pelo clube entre 1991 e 1994, fazendo parte do time do técnico Telê Santana. Retornou ao clube como técnico no ano passado, após a saída do técnico Juan Carlos Osório, mas ficou no cargo apenas 32 dias. Em sete jogos no comando do Tricolor, foram duas vitórias, um empate e quatro derrotas.

PINTADO: Jogou no Tricolor Paulista entre 1992 e 1993. Foi bicampeão da Libertadores e campeão mundial. Retornou ao clube em Abril deste ano como parte da comissão técnica fixa do clube, e com a saída de Ricardo Gomes do comando do time nesta semana, irá dirigir o São Paulo nas duas últimas partidas do Brasileirão.