Entenda os próximos passos após a oposição do Corinthians protocolar pedido da saída de presidente

Allianz Parque
Foto: Daniel Augusto Jr/ Agência Corinthians

Na última terça-feira (22), a oposição do Corinthians protocolou no Conselho Deliberativo o pedido do impeachment do presidente Roberto de Andrade. Foram colhidas 63 assinaturas entre 345 integrantes do órgão.

LEIA MAIS:
Conselheiros do Corinthians entregam requerimento pedindo saída do presidente 
Léo Jabá comemora estreia pelo Corinthians: “sonho de criança realizado” 

Os opositores têm como fundamento o fato de o mandatário ter assinado atas de assembleia da Arena Corinthians antes mesmo de assumir a presidência em fevereiro de 2015. Tais fatos foram revelados há algumas semanas pela revista Época.

De acordo com o artigo 104 do Estatuto do clube, são motivos para requerer a destituição do presidente ter “ele acarretado, por ação ou omissão, prejuízo considerável ao patrimônio ou à imagem do Corinthians” ou ter “ele infringido, por ação ou omissão, expressa norma estatutária”.

Após ter recebido o protocolo do pedido de impeachment, o presidente do Conselho Deliberativo, atualmente Guilherme Strenger, tem o prazo de cinco dias para encaminhar o requerimento ao Conselho de Ética e Disciplina, que vai acionar Roberto de Andrade, que terá 10 dias para apresentar a sua defesa após a notificação.

Esgotado o prazo para defesa, a Comissão de Ética enviará um parecer em 10 dias ao presidente do Conselho Deliberativo, que convocará uma reunião para decidir o afastamento ou não de Roberto.

Se o impeachment for aprovado, o presidente será afastado do cargo, porém, ele ainda terá chance de ganhar uma sobrevida. Em até cinco dias, deverá ser convocada a Assembleia Geral de associados para, em última instância, votar a Destituição, ficando o processado afastado cautelarmente desde logo do exercício de suas funções até a proclamação do resultado final da Assembleia Geral.

De acordo com o Artigo 109, do Estatuto do Corinthians, no caso da destituição do presidente que assume o cargo é o 1º vice presidente da diretoria (no caso, André Luiz Oliveira, o André Negão). Na ausência deste, quem assume é o 1º vice-presidente da diretoria (no caso, Jorge Kalil).



Rafael Alaby é jornalista diplomado pela FIAM (Faculdades Integradas Alcântara Machado), com passagens pela Chefia de Reportagem de Esportes, da TV Bandeirantes, em São Paulo e site KiGOL. Pós-graduado em Jornalismo Esportivo e Negócios do Esporte (FMU)