Opinião: Será que Ricardo Gomes continuará no comando técnico do São Paulo?

Crédito da foto: Érico Leonan/saopaulofc.net
Ricardo Gomes vive uma situação complicada dentro do São Paulo. Todos nós sabemos de suas virtudes (educação, profissionalismo, caráter), é um cidadão do bem, mas a única pessoa que o técnico prejudica, é ele mesmo. 
 
Depois dos problemas de saúde que o técnico do São Paulo teve, dificilmente alguém voltaria trabalhar diretamente com jogadores, torcedores cobrando resultados positivos e conselheiros que muitas vezes atrapalham mais do que ajudam. Assumir o São Paulo depois de tantos problemas foi, sem nenhuma dúvida, um enorme desafio.
O Presidente do São Paulo, Carlos Augusto de Barros e Silva, conhecido como Leco, garantiu na última semana a permanência de Ricardo Gomes no comando técnico do São Paulo em 2017. Sempre que existe esse tipo de garantia por parte de um dirigente eu fico desconfiado. Depois da verdadeira bagunça que ficou o clube, é simples culpar alguém pelo insucesso e incompetência dos dirigentes.
Quando uma equipe está bem, conselheiros e pessoas que convivem diariamente no clube, mesmo sem ter cargo relevante, gostam de aparecer. Mas, quando uma equipe não está bem, a maioria dos conselheiros gostam de se manifestar e dar sugestões milagrosas para melhorar a situação do clube. Acontece com a maioria dos clubes e no São Paulo não é diferente.
Quando o diretor executivo do São Paulo, Marco Aurélio Cunha, foi convidado para fazer parte da linha de frente do clube, a intenção era tentar apagar um incêndio que dura muito tempo. O competentíssimo Marco Aurélio Cunha está fazendo um enorme esforço para controlar os ânimos de alguns jogadores, conselheiros e torcedores. Depois de ter escapado do rebaixamento para a série B do campeonato brasileiro, chegou o momento de decidir que vai ficar e quem vai sair do clube.
O elenco do São Paulo é fraco e Ricardo Gomes teve que lançar alguns jovens que até o momento estão correspondendo as expectativas. A necessidade e a capacidade que Ricardo Gomes tem de formar um elenco mesclando jogadores experientes com jovens que estão se destacando nas categorias de base é muito importante para um clube que não está vivendo uma situação financeira confortável.
Só que Ricardo Gomes tem três encrencas:
1) Por mais que torcedores, dirigentes e jornalistas saibam que para ter sucesso dentro de campo é necessário planejamento e organização, o foco é sempre o resultado positivo. O retrospecto de Ricardo Gomes no comando técnico do São Paulo não é bom ( 18 partidas – 6 vitórias – 5 empates – 7 derrotas ) e, para piorar a situação do técnico a equipe é irregular e consegue fazer partidas horríveis.
2) Dentro do clube, existem conselheiros que são a favor da permanência de Ricardo Gomes e outros que são contra. Fica muito difícil permanecer em um clube dividido. Parece que existem conselheiros que torcem para que tudo dê errado e procuram criar um clima de instabilidade.
3) Ricardo Gomes convive com a sombra de Rogério Ceni. Posso estar equivocado, mas, em alguns programas esportivos, sites e blogs, o nome de Rogério Ceni está tendo mais destaque do que o próprio clube. Esse clima deixa qualquer profissional incomodado e, Ricardo Gomes, por mais que seja educado (um diplomata), não deve ser diferente.
Rogério Ceni deixou o seu nome na história do São Paulo com todos os méritos, mas, o que não pode acontecer é a permanência dessa indefinição por muito tempo. O ex-goleiro, conhecido como (MITO), está se preparando e nunca negou o desejo de fazer parte da administração do clube dentro ou fora de campo. Rogério Ceni é um profissional exemplar, estudioso, conhecedor de futebol, atualizado e os cursos que está fazendo só enriquece o seu conhecimento.
A grande pergunta é a seguinte: será que é melhor continuar com Ricardo Gomes e dar continuidade a renovação do elenco ou apostar em um ex-jogador que nunca treinou um clube e está iniciando a carreira?
 Gostou do texto? Compartilhe com seus amigos o link da página de Rivaldo Pedregulho e, se for possível, envie comentários, sugestões e críticas.