Nobre comemora ‘dever cumprido’ e ressalta emoção de torcer para o Palmeiras

Paulo Nobre
Foto: Divulgação/Palmeiras

Com 74 pontos na tabela, seis a mais que o vice-líder Santos, o Palmeiras está próximo de comemorar o título de campeão brasileiro depois de 22 anos. Neste domingo, após a equipe vencer o Botafogo, no Allianz Parque, por 1×0, o presidente Paulo Nobre não escondeu a satisfação com a situação atual da equipe e ‘abriu as portas’ para o mandatário do clube.

LEIA MAIS:

EX-JOGADORES DO PALMEIRAS MARCAM E TIRAM O FLAMENGO DA LUTA PELO TÍTULO

CUCA DESTACA MATURIDADE DO PALMEIRAS E VÊ TIME PRONTO PARA SER CAMPEÃO

CUCA FAZ CONTAS PELO TÍTULO DO PALMEIRAS E RESSALTA EQUILÍBRIO DO BRASILEIRÃO

“Sonhava em ser jogador do Palmeiras e depois ser presidente. Ainda bem que o Palmeiras se livrou de um jogador tão ruim quanto eu. O sonho da presidência acabou sendo realizado. E o que eu mais quis foi entregar melhor do que eu recebi. De uma certa maneira a gente se sente com o dever cumprido. Falo no plural porque não faço sozinho. Um grande grupo desenvolveu esse trabalho comigo, e estamos deixando o Palmeiras protagonista novamente.”

Nas últimas duas rodadas, o Palmeiras recebe a Chapecoense e vai até Salvador enfrentar o Vitória. De acordo com Nobre, que prefere ainda não intitular a equipe como campeã, cada partida deve ser tratada como importante.

“É claro que você sonha. Sonha em ganhar tudo, todos os jogos, mas isso não é possível. Ter ganhado aquela Copa do Brasil foi magnífico, e no ano que eu esperava ser muito verde, não fomos felizes na Libertadores e no Paulista, mas não perdemos o foco. Estamos muito próximos, mas ainda tem dois jogos. Temos de manter a seriedade.”

Na presidência do alviverde até o próximo mês, Paulo Nobre se colocou ‘inteiramente a disposição’ de Maurício Galiotte, que foi seu primeiro vice-presidente no Palmeiras.

“Os rumos a partir de meados de dezembro, do dia 16 para frente, quem vai tocar vai ser o Maurício Galiotte. Tem totais condições. Tenho certeza que fiz a escolha certa, esteve ao meu lado os quatro anos. Fizemos tudo juntos. Tem totais condições de seguir com o trabalho. Eu, como vice, estou inteiramente à disposição, se ele precisar. Mas não existe nada combinado entre ele ser o meu candidato e eu ter alguma participação.”

Para se dirigir ao torcedor alviverde, Nobre parafraseou Joemir Beting, para explicar o sentimento de ser palmeirense.

“O que eu posso dizer é que explicar a emoção de ser palmeirense para um palmeirense é desnecessário. E explicar para uma pessoa que não é palmeirense, como diria Joemir Beting. Só existe uma emoção maior que ser campeão, que é ser palmeirense.”



Estudante do 8º semestre de jornalismo e amante dos esportes, principalmente o bom e velho futebol. Setorista de Atlético-MG e Futebol Feminino.